6 de abr de 2013

SERÁ QUE LULA BUSCARÁ O JULGAMENTO DAS URNAS?


Com uma possível investigação criminal contra si, o ex-presidente pode estar sendo empurrado para mais uma disputa eleitoral em 2014; sua missão será defender sua imagem, seu legado e provar que a voz do povo está acima dos tribunais ou das intenções de personagens como Roberto Gurgel e Joaquim Barbosa; no PT, crescerá a pressão para que ele concorra ao governo de São Paulo ou até mesmo à presidência da República...


247 - Luiz Inácio Lula da Silva foi o presidente mais popular da história do País, deixando o cargo com 80% de aprovação. Fora do Brasil, desfruta de imenso prestígio e, mais cedo ou mais tarde, será lembrado para o prêmio Nobel da Paz, por seus programas sociais e suas iniciativas de combate à fome em países da África e da América Latina. 

Ainda assim, ele está prestar a ser carimbado pela Justiça brasileira como um possível criminoso, depois que o empresário Marcos Valério, condenado a mais de 40 anos de prisão, o acusou de tentar intermediar uma doação de US$ 7 milhões da Portugal Telecom para o PT, destinada a pagar despesas de campanhas eleitorais, como os gastos com o publicitário Nizan Guanaes e a dupla Zezé di Camargo & Luciano.

Diante desse cenário, Lula tem duas alternativas: encastelar-se em São Bernardo do Campo (SP) e aguardar um possível julgamento, acompanhado da destruição da sua imagem pela imprensa tradicional, ou buscar proteção nas ruas, tornando-se, mais uma vez, candidato em uma disputa majoritária. Sabe-se também que a intenção inicial de Lula não era participar diretamente das eleições em 2014. 

Mas o movimento do Ministério Público poderá alterar radicalmente esse quadro. "Lula está sendo empurrado para uma nova disputa", disse ao 247, um dos seus mais próximos interlocutores no PT. "Ele tem a obrigação de defender seu legado e o próprio PT".

Marqueteiro oficial do partido, João Santana já defendeu a ideia de que Lula seja candidato ao governo de São Paulo, em 2014, para tentar encerrar um ciclo de 20 anos de poder do PSDB no estado. 

Com uma máquina de propaganda que gastou R$ 2,4 bilhões nos últimos dez anos, o governo paulista, certamente, teve algum papel na construção do ambiente midiático que hoje tem, em Lula, seu inimigo público número um. E o PT acredita que esta oposição está destruída, aniquilida e esmagada se, depois de perder a prefeitura de São Paulo, ficar também sem o governo estadual.

Outra possibilidade, bem mais remota, mas não impossível, é de que Lula seja empurrado pelo próprio PT para disputar a presidência da República. Uma candidatura lhe serviria também como proteção, anteparo e espaço para a construção de um discurso político: o de que o julgamento das ruas, pelo povo, é mais importante do que o julgamento formal, conduzido por personagens como Roberto Gurgel, Joaquim Barbosa e assemelhados.

Coincidência ou não, na única vez em que falou sobre o chamado mensalão após seu julgamento, Lula explicitou essa posição. "Eu já fui julgado. A eleição da Dilma foi um julgamento extraordinário. Para um presidente com oito anos de mandato, sair com 87% de aprovação é um grande juízo", afirmou. Ou seja: para Lula, o julgamento que importa vem do povo. 

Será que ele tentará mais uma vez passar pelo teste?



Nenhum comentário: