16 de jun de 2012

Miro Teixeira é sócio de advocacia que defende encrencados com a PF e CPI's

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!

Deputado Miro Teixeira é sócio do advogado Eduardo Ferrão
Miro recebeu R$ 150 mil de doação de campanha de Ferrão, e dos advogados do mesmo escritório:
R$ 50 mil de José Rollemberg Leite Neto;
R$ 30 mil de Luiz Felipe Bulus Alves Ferreira;
R$ 60 mil de Marcelo Leal de Lima Oliveira;
R$ 15 mil de Rannery Lincoln Gonçalves Pereira;

O deputado Miro Teixeira (PIG-RJ, ops... PDT-RJ), em movimento combinado com os holofotes da TV Globo retirou o foco da CPI que, talvez, já voltasse as atenções em breve para a questão da parceria Veja-Cachoeira, e fez estardalhaço com o "sigilo gastronômico" do dono da empreiteira Delta, Fernando Cavendish, ao preocupar-se mais com um almoço em Paris do que com o sigilo bancário da empreiteira, já quebrado.

Miro Teixeira ganhou capa no jornal "O Globo" e inserção no Jornal Nacional
pela manobra na CPI para atrasar investigações sobre a parceria Veja-Cachoeira

Já dissemos aqui que amizades de políticos com empreiteiros sempre é coisa complicada, mas é insuficiente para dizer que um político é corrupto. Todo político influente conhece empresários. Cabe ao político impor limites a essas relações para não se submeter a interesses escusos.

Aliás, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) também é amigo de Fernando Cavendish e, estranhamente, ninguém o cobra por isso.

Voltando ao deputado Miro Teixeira, ele chegou a insinuar que quem encontrou-se em Paris com Cavendish, seria da "tropa do cheque", fazendo alusão a parlamentares que poderiam estar comprados pelo empreiteiro.

O problema é que se for para fazer ilações, Miro Teixeira também pode despertar suspeitas.

Ele é sócio do escritório de advocacia de Eduardo Ferrão, famoso advogado de Brasília que atua nos tribunais superiores e já defendeu alguns políticos e empresários encalacrados com a Polícia Federal.

Ferrão, inclusive, foi também um dos maiores doadores de campanha para Miro. Somados com os outros advogados de seu escritório doou R$ 305 mil em 2010.

Um colunista de fofocas políticas, há pouco tempo, chegou a dizer que Cavendish estava a procura de um famoso advogado de Brasília, e que a conta seria de R$ 18 milhões (parece ser fofoca, pois outras notícias falam que Cavendish contratou Técio Lins e Silva, do Rio).

É claro que Miro Teixeira dirá que tudo isso não passa de coincidência. Mas o senador Ciro Nogueira (PP-PI) disse a mesma coisa sobre seu encontro com Cavendish em Paris.

E será que o senador Ciro Nogueira também não poderia perguntar a Miro se está acima de suspeitas um deputado que de dia faz papel de acusador, paladino da ética, e de noite vira sócio de um escritório de advocacia que faz a defesa de casos semelhantes aos que ele acusa?

Sintonia Fina
- com Blog do Saraiva

Nenhum comentário: