15 de set de 2013

Resumo da ópera 470: submeter-se ou não à Globo?



Na sessão desta última quinta-feira, disse o ministro Barroso que “vota com sua consciência e não se pauta pelo que vai sair no jornal do dia seguinte”. É o resumo da ópera 470 – vulgarmente conhecida como Mensalão do PT: submeter-se ou não à Globo?




A estratégia preparada por Joaquim Barbosa foi a de isolar o derradeiro voto (que desempatará em 6 x 5 para um dos lados) para a próxima sessão, quarta-feira que vem, e assim jogar o ministro Celso de Mello aos leões da mídia durante os próximos 7 dias.

Se resistir à pressão vulcânica que o aguarda nesta semana, na mídia, e acabar por aceitar os tais embargos infringentes – adiando ou apagando para sempre as capas que o PiG sonha imprimir há 8 anos –, Celso de Mello salvará o STF (e, mesmo, a consciência dos outros cinco ministros que tentam executar o PT sumariamente).

Por outro lado, se o ministro dobrar-se à vontade da mídia e consentir que se algeme os petistas em praça pública(da), realizará o sonho de curto prazo de Globo, Folha, Estadão e Veja. Neste caso, ao contrário do que muita gente pensa, a novela estará longe de terminar. Além de transformar o STF na casa da mãe Joana da Globo e abrir precedentes para outros linchamentos nos mesmos moldes da 470 em qualquer tribunal do Brasil, a prisão de Dirceu, Genoino, J. P. Cunha e Delúbio levará o caso à Corte da OEA – que tem o poder de anular o julgamento ou partes dele. Isso significaria mais desmoralização ao STF e seus atores. Não só no Brasil, mas aí sim, perante toda a comunidade jurídica internacional.

Os ministros que votaram pela degola imediata dos réus parecem não se importar em serem achincalhados por quem entende de direito penal. Parece que o que mais aterroriza Barbosa e os demais que votam com ele é a opinião publicada na imprensa. Desde o início do julgamento ficou evidente sua postura político-partidária a serviço de interesses escusos.

Ao PiG só interessa uma coisa: algemar e fotografar. Mais tarde podem anular o julgamento, pouco importa. O estrago já estaria feito: finalmente o PT estaria “em cana”.

Claramente a serviço da Globo (o que será que prometeram a Barbosa além dos 5 minutos de fama?) o STF aceitou a tese parida nas fétidas redações do PiG e Barbosa conduziu o caso construindo indícios que qualquer estudante de primeiro ano de direito consideraria insustentáveis. A omissão de provas a favor do chamado “núcleo político da quadrilha” já foi exaustivamente criticada por toda a comunidade jurídica do país. A bizarra utilização de argumentos como o “domínio do fato” devolvendo aos réus a tarefa de provar sua inocência só é aceita pela mídia e seus leitores coxinhas. Henrique Pizzolato é mais inocente que uma criancinha mas, fato é que se aliviarem para um único réu, todo o julgamento desmoronará como um castelo de arreia. (Por isso Barbosa resolveu julgar e condenar todos ao mesmo tempo correndo esse risco.)

Os seguidores da Globo & Famiglia dividem o mundo entre petistas e anti-petistas. Discordar da existência do Mensalão – esse delírio midiático que tentam nos enfiar goela abaixo há 8 anos – não significa ser petista. Significa ter um mínimo de inteligencia e bom senso. Porque uma das principais características do idiota político é pensar que está numa arquibancada de um Fla X Flu. Nisso se resume sua visão.

Chamar vândalos mascarados e o bando de filhinhos de papai que os seguem de “vozes das ruas” é risível. O povo mesmo, o povão que os reaças tratam como gado comprado com o “bolsa-esmola”, jamais foi às ruas para protestar contra os governos petistas. Ao contrário, elegeram e reelegeram este governo por três vezes seguidas e com larga folga.

O mensalão é um expediente desgastado. Foi utilizado sem o sucesso eleitoral esperado nas urnas de 2006, 2008, 2010 e 2012. Em 2014 vai ser a raspa do tacho. E depois do mensalão? A oposição voltará a fazer política? Construirá um projeto alternativo e consistente para oferecer ao país? E o mais difícil de tudo: construirá um candidato que realmente pense no povo brasileiro? Ou vão continuar batendo na tecla “destruir o PT e dane-se o resto”?

De qualquer maneira, cedo ou tarde, a novela do chamado Mensalão do PT ficará para trás. E as excelências do STF terão vários pratos cheios para degustar: o mensalão do PSDB, a sonegação da Globo, o cartel das licitações de Covas, Serra e Alckmin, o destravamento da Satiagraha de Daniel Dantas, a Privataria de FHC…

Nenhum comentário: