22 de fev de 2013

EM PESO, MPF FAZ NOTA EM DESAGRAVO A GURGEL


Chefes das 32 unidades do Ministério Público Federal assinam notam em que contestam a investigação do TCU pela compra de 1,2 mil iPads; corporativismo ou senso de justiça? 


Brasília 247 - Procuradores-chefes dos Estados se uniram e divulgaram, nesta sexta-feira 22, nota de apoio ao Procurador Geral da República, Roberto Gurgel. O ato ocorre um dia depois que o Senado Federal aprovou o requerimento determinando que o Tribunal de Contas da União faça auditoria na licitação que comprou 1.200 ipads ao custo de R$ 3 milhões. O requerimento foi protocolado pelo senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) e aprovado nessa quinta-feira 21, na presença de 45 senadores. [Entenda o caso]
Em nota oficial publicada no início da noite, os integrantes do MPF manifestam "veemente repúdio às acusações" feitas à Gurgel, e destacam que as "tentativas de macular a honra" do chefe do Ministério Público "não alcançarão o fim predeterminado de intimidar a instituição". E reafirmam que Gurgel é "pessoa detentora de respeitabilidade e decoro”.
O desagravo foi assinado por 34 procuradores-chefes e também pelo secretário-geral adjunto do MPF.
Confira a íntegra na nota oficial:
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
DESAGRAVO AO PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA

O Secretário-Geral, o Secretário-Geral Adjunto e os Procuradores-Chefes de todas as unidades do Ministério
Público Federal, estes últimos eleitos pelos Procuradores da República e Procuradores Regionais da
República nos Estados, reunidos em Brasília, diante de ataques dirigidos ao Procurador-Geral da República,
Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, por sua atuação independente em casos de grande repercussão e
interesse nacional, como visto em recentes atos praticados e discursos proferidos pelo Senador Fernando
Arnon Collor de Mello, deliberaram, à unanimidade, manifestar veemente repúdio às acusações feitas à
autoridade máxima do Ministério Público brasileiro, pessoa detentora de respeitabilidade e decoro.

Esclarecem não ser cabível o abuso de prerrogativas parlamentares, objetivando enfraquecer uma instituição
defensora da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis,
como definido na Constituição da República e reconhecido pela sociedade em geral.
Conhecedores dos predicados morais e profissionais do desagravado, os subscritores asseguram que as
tentativas de macular a honra do chefe do Ministério Público da União, que engloba o Ministério Público
Federal, Ministério Público do Trabalho, Ministério Público Militar e Ministério Público do Distrito Federal
e Territórios, pela sua atuação institucional, não alcançarão o fim predeterminado, pois não passam de
tentativas vãs de retaliar e intimidar a instituição.
Brasília (DF), 22 de fevereiro de 2013

Sintonia Fina


Nenhum comentário: