4 de fev de 2013

Dilma visita assentamento; Globo chia!

Cooperativa recebeu R$ 8 milhões em investimentos


Por Altamiro Borges

A presidenta Dilma Rousseff visita hoje o assentamento Dorcelina Folador, liderado pelo MST no município de Arapongas (PR). Ela fará o lançamento do Programa Nacional de Agroindústrias na Reforma Agrária e participará da inauguração da agroindústria da Cooperativa de Comercialização e Reforma Agrária União Camponesa (Copran). A expectativa dos organizadores é que mais de 6 mil pessoas participem da atividade, que pode marcar uma reaproximação da presidenta com os movimentos sociais do campo.


Segundo o sítio do MST, o programa nacional de agroindústria na reforma agrária “é uma demanda antiga dos movimentos do campo, que pretendem avançar na organização dos assentamentos em cooperativas e industrializar a produção, para agregar valor e gerar renda aos trabalhadores rurais. Depois de mais de um ano de pressão, o governo agora lança o programa. A estrutura da agroindústria atenderá diretamente 4 mil famílias assentadas e pequenos produtores de Arapongas, Apucarana, Londrina e Maringá”.

Experiência avançada

O assentamento beneficiará diariamente 90 mil litros de leite. “Essa produção será transformada em derivados de leite, como queijo mussarela, ricota, requeijão, leite pasteurizado, bebida láctea, iogurte, manteiga e doce de leite. Os produtos serão vendidos com a marca Campo Vivo, na rede de comercialização das cooperativas da reforma agrária,  juntamente com outros produtos, como lácteos, chás, erva mate, arroz, café, entre outros, que já são beneficiados por cooperativas do MST”, relata o sítio.

Atualmente, o MST no Paraná possui 18 cooperativas na Copran. Fundada em 1997, ela tem como “objetivo de melhorar as condições de trabalho no campo, com geração de renda às famílias assentadas, garantindo e oferecendo alimentos de qualidade  à sociedade... A cooperativa dispõe aos seus cooperados da difusão de tecnologia por meio de um Centro de Formação e Produção, desenvolvendo atividades como bovinocultura de leite, produção de hortaliças, unidade de produção e maturação de bananas”.

Reação do jornal ruralista

A visita de Dilma Rousseff a uma experiência tão avançada do MST reforça a luta pela reforma agrária no país. Serve, inclusive, como autocrítica do próprio governo, que abandonou nos últimos anos a desapropriação de terras ociosas para novos assentamentos rurais. Não é para menos que o jornal O Globo, que representa os interesses dos latifundiários, publicou ontem editorial criticando, de forma indireta, a visita presidencial. O título é emblemático: “A cada vez mais desnecessária reforma agrária”.

Na visão do jornalão ruralista, esta bandeira de justiça social está superada. “A concentração de terras em poucas mãos, herança do Brasil colonial, alimentou, e ainda alimenta, muita luta política — embora hoje, menos. O latifúndio é parte da história do país, seja como força política no Império e na República Velha ou peça de exploração ideológica principalmente na segunda metade do Século XX”. Fingindo desconhecer a realidade do campo brasileiro, um dos mais concentrados do mundo, O Globo rejeita a reforma agrária.

Para a famiglia Marinho, esta bandeira serve às “pregações de esquerda” e é usada como “espaço político em que forças extremadas se aliaram aos representantes da Igreja”. Para o jornal, que despreza milhões de camponeses sem terra, “o ‘latifúndio improdutivo’ foi extinto - quem diria? - pelo avanço do capitalismo no campo... A modernização do campo, ao lado da inexorável tendência de urbanização da população, começou a reduzir a massa de manobra à disposição do MST”. O alvo do editorial, como sempre, é o MST!

Sintonia Fina

Nenhum comentário: