19 de nov de 2012

Na contramão do resto do país, desemprego em SP aumenta

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG- Partido da Imprensa Golpista) não mostra!




Detentora da maior parcela da força de trabalho brasileira, a região metropolitana de São Paulo caminhou na contramão das outras cinco principais capitais do país e deu mostras de perda de fôlego em seu nível de emprego. Enquanto nas demais regiões pesquisadas pelo IBGE a taxa de desemprego diminuiu entre setembro de 2011 e igual mês de 2012, em São Paulo ela aumentou consideravelmente nesse período, de 6,1% para 6,5%, se descolando do novo recorde de baixa batido pela desocupação.As informações são do jornal Valor Econômico

Com maior peso na Pesquisa Mensal de Emprego (PME), a trajetória da capital paulista evitou recuo na média das seis regiões entre agosto e setembro, cuja desocupação passou de 5,3% para 5,4%. Também na comparação mensal, São Paulo foi a única região onde houve aumento relevante no contingente de desempregados, que eram 5,8% da População Economicamente Ativa (PEA) em agosto.

Especialistas têm dificuldade em avaliar se esse movimento é pontual ou pode configurar uma tendência, mas apontam que o maior peso da indústria no mercado de trabalhopaulistano é o principal fator por trás desse descompasso.

Enquanto a produção industrial encolheu 3,5% de janeiro a setembro em relação a igual período do ano passado, no Estado de São Paulo, as indústrias produziram 5,2% menos. Com expectativa de que a atividade se recuperasse na virada do ano, o setor não fez grandes demissões, mas criou menos empregos: em setembro, o estoque de ocupados nas fábricas era de 3,7 milhões nas seis regiões metropolitanas, 0,3% menor do que em setembro de 2011. Na mesma ordem, a população ocupada na indústria em São Paulo teve redução bem mais intensa, de 3,1%.

Caio Machado, da LCA Consultores, nota que a indústria representou 19,3% da população ocupada em São Paulo no mês de setembro, mais de três pontos percentuais acima da média total das regiões, de 16%. Assim, quando o setor atravessa um momento mais delicado, a tendência é que a taxa de desemprego nessa capital responda mais do que nas outras. "Por ser bastante diversificado, o parque industrial de São Paulo acaba refletindo o movimento dos setores que mais sofrem", diz Machado.

Na passagem de agosto para setembro, o contingente de empregados na indústria encolheu 1,3% no total das seis regiões metropolitanas, queda que, em São Paulo, chegou a 2,6%. Machado associa esse movimento ao forte aumento de 12,8% na população desempregada nessa região, contra apenas 3% na média de todas as metrópoles analisadas pelo IBGE. "Como, nas demais regiões, os setores de maior peso no emprego são mais dinâmicos, como o comércio e os serviços, a taxa de desemprego nelas segue em queda", explica Machado.

Para Claudio Dedecca, professor do Instituto de Economia da Unicamp, o dado de São Paulo acende uma luz amarela para as outras regiões que, por enquanto, estão em "compasso de espera". Apesar de vir perdendo expressão como gerador de empregos na última década, Dedecca aponta que o mercado de trabalho paulistano é o mais dependente de estruturas produtivas modernas e, por isso, reage mais rapidamente quando a economia se desacelera. "Se a economia não voltar a crescer, podemos ter um cenário de aumento do desemprego no início do próximo ano."

Além da questão industrial, Fabio Silveira, sócio-diretor da RC Consultores, observa que mais pessoas saíram à busca de uma ocupação em São Paulo, o que contribui para aumentar a taxa de desemprego. Acompanhando movimento generalizado em setembro, a PEA cresceu 1,4% na capital paulista sobre igual mês de 2011. "Há oferta de trabalho e consumidores endividados, o que pode estar levando mais pessoas a procurar emprego". Pesquisa da Fecomercio-SP aponta que, em outubro, 48,9% das famílias paulistanas estavam endividadas, nível inferior aos 51,5% de setembro, mas ainda considerado elevado por Silveira.

Segundo Machado, da LCA, a construção civil é outro setor que ainda apresenta desempenho razoável como gerador de empregos nas demais capitais pesquisadas pelo IBGE, mas que passa por alguma acomodação em São Paulo, o que já se reflete na ocupação. Em setembro, o estoque de ocupados nesse ramo de atividade caiu 3,4% sobre o mesmo mês do ano passado nessa região, período em que cresceu 1,2% na média das seis regiões.

"Os dados de vendas e lançamentos de imóveis em São Paulo estão mais fracos em comparação ao restante do país", avalia. No acumulado de janeiro a setembro, as vendas de imóveis novos recuaram 3,4% na capital paulista, ao passo que os lançamentos encolheram 29% no mesmo período. Machado também aponta que as contratações nesse setor são muito influenciadas pelas grandes empresas, que têm mostrado dificuldades financeiras em seus últimos balanços.


Sintonia Fina

Nenhum comentário: