16 de mai de 2012

Em fala a El País espanhol, FHC comete dois deslizes

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!


Bem ao seu gosto - ele que já confessou uma vez no Programa Jô Soares que não sabe o que é maior nele, se a inteligência ou a vaidade - o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso brilha de novo em entrevista ao jornal El País, de Madrid.
 
 
Tudo bem, nada contra, mas ao fazer política nessa entrevista, o ex-presidente FHC comete dois deslizes: diz que o ex-presidente Lula governou em condições bem mais favoráveis do que as dele e do que a presidenta Dilma Rousseff enfrenta para governar; e que seu sucessor imediato apenas aprofundou o que ele (FHC) fazia “ainda que anos antes tenha se oposto a tudo o que fizemos”.
 
 
“Creio que (a presidenta Dilma) é uma pessoa íntegra, embora ela tenha um momento mais difícil que o do presidente Lula, como foi o meu caso. Ela terá que tomar medidas rápidas e profundas. Lula governou em condições favoráveis, e este não é o caso dela”, disse o tucano ao maior jornal espanhol.
 

FHC esquece-se da herança maldita

 

Não é bem assim. Lembram-se da "herança maldita", expressão cunhada à época (2003, primeiro ano de governo Lula) que o governo de FHC legou à administração federal petista? Entre outros itens deste espólio, o presidente Lula herdou uma administração em que os governantes do PSDB haviam deixado as taxas de juros chegarem a 27%.
 
O ex-presidente tucano incursiona também por outro terreno - o da corrupção. “Não há dúvida de que a presidente não trata de esconder o problema e quando surge algum caso de corrupção não defende os acusados”, constatou FHC. Pena que seus dois governos de oito anos não tenham feito o mesmo.
 
Afinal, é preciso lembrar que somam dezenas e dezenas os escândalos de corrupção e outras irregularidades que estouraram em seu governo. Mas que, só a partir do governo Lula, a Polícia Federal (PF) passou a deflagrar investigações e operações às centenas, e que só a partir daquele governo, órgãos como a Controladoria Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU) passaram efetivamente a acompanhar e a fiscalizar.
 

Apoio à Comissão da Verdade criada agora

 

No mais, ponto para o ex-presidente (de 1995 a 2002) que concordou com a decisão da chefe do governo de instalar a Comissão da Verdade, proposta pelo ex-presidente Lula e aprovada no governo da presidenta Dilma, que a instala amanhã.
 
Para o vaidoso confesso FHC, faço um reconhecimento público merecido e justo: registro que o jornal espanhol o entrevistou porque ele foi contemplado com o prêmio Kluge, concedido pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos a personalidades que se destacam pela produção acadêmica nas ciências humanas.
 
 
Sintonia Fina

Nenhum comentário: