8 de abr de 2012

Com Cachoeira preso, denuncismo some da capa da Veja

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!

Veja perdeu o ímpeto denuncista após prisão de Carlinhos Cachoeira. 

Desde que Carlinhos Cachoeira foi preso, no dia 29 de fevereiro de 2012, na operação Monte Carlo da Polícia Federal, a revista Veja já soltou 6 edições, e nenhuma capa é dedicada a denúncias de corrupção.

Mas há uma pauta abundante neste período envolvendo o senador Demóstenes Torres e o governador Marconi Perillo, tratada, sobretudo, pela revista Carta Capital, mas não só por ela. 

Até o Jornal Nacional tem se dedicado ao tema.


Parece que a revista Veja ficou acéfala no que entende ser "jornalismo investigativo", depois da prisão de Cachoeira e dos arapongas Jairo Martins e Dadá.

Mais do que acéfala, está dando uma enorme bandeira de que tem muito a esconder sobre as relações entre seu editor-chefe Policarpo Júnior e Carlinhos Cachoeira. Segundo Luis Nassif, Policarpo teria trocado em torno de 200 telefonemas com Cachoeira, no período investigado.

A revista já admitiu, defensivamente, que Policarpo e Cachoeira trocavam figurinhas. A revista diz que seriam relações legítimas entre jornalista e fonte. Mas como explicar a notória má vontade da revista em noticiar o caso, tendo um jornalista tão íntimo com os intestinos da organização criminosa (segundo o Ministério Público)?

A revista Veja, pródiga em divulgar até grampos ilegais, não revela um único diálogo entre o bicheiro e seu editor-chefe.

Veja como é o jornalismo associado ao crime organizado



SÓ CONSEGUIREMOS MATAR ESSE CÂNCER, CANCELANDO AS ASSINATURAS
PRESTE ESSE FAVOR AO BRASIL


Sintonia Fina
- com Amigos do lula
e o Esquerdopata


Nenhum comentário: