28 de fev de 2012

Dilma corta e Antártica pega fogo.

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!

 O Sintonia Fina reproduz texto de PHA no Conversa Afiada.

Zileide: um dia ela chega ao "Entre Caspas"

As Organizações (?) Globo – clique aqui para ler sobre a fantástica queda do Fantástico – insistem em transformar a tragédia na estação brasileira da Antártica na crucificação da Presidenta Dilma Rousseff.

A Presidenta foi a Fortaleza levar R$ 2 bilhões para o metrô.

Mas, as chamas antárticas a perseguem na Globo, implacavelmente.

Na edição impressa do Globo, o tema ocupa CINCO modestas páginas.

CINCO !

E o Bom (?) Dia Brasil ?

Metade é sobre futebol.

(Os telejornais da Globo se transformaram num abrigo para o merchandising do futebol que a Globo exibe com monopólio. Acorda, Bernardo !)

A outra metade é sobre a crucificação da Presidenta.

Pontificou neste esforço a chefe da redação de Brasília, Zileide Silva.

Ela tem linguagem inaceitável numa emissora que explora, em nome do povo brasileiro, propriedade do povo brasileiro: o espectro eletromagnético.

Ela pode achar que pertence aos filhos do Roberto Marinho ou ao Ali Kamel.

Mas, não, ainda não chegamos lá !

O espectro eletromagnético é (ou deveria ser, não é Bernardo ?) nosso !

As reportagens são precedidas ou seguidas, na expressão severa da Zileide Silva, de “vai ter que ter dinheiro”!

“É, mas … não tem jeito …”

Ao anunciar o ministro da Ciência e Tecnologia, Marco Antonio Parau, que vai aplicar mais recursos ao programa antártico, ela o precedeu de um enfático, glacial, arrasador … “tomara !”.

Tomara, viu seu ministro ?

Se não, vai para o castigo !

Zileide substitui âncora brasiliense por quem o Conversa Afiada tinha especial predileção: Claudia Bom (?) Tempo.

Ela parecia, daquele matinal púlpito, a verdadeira vice-líder da Oposição ao Governo Lula.

Implacável, infatigável, severa, focada, persistente.

Parecia imbatível.

Pois, não é que a Zileide tomou-lhe o lugar ?

A Zileide vai longe.

Breve, poderá ser promovida ao “Entre Caspas”, da GloboNews.

Como diz o Mino Carta, jornalista a quem Heraldo Pereira de Carvalho parece dedicar inexcedível admiração, o Brasil é o único lugar do mundo em que jornalista chama patrão de colega.

Continua o Mino: os jornalistas brasileiros são piores que os patrões.

Sobre isso, Mino acaba de concluir excelente romance de título “Brasil”, em que o personagem principal, Abukir, é um desses: pior que o patrão.

No entrecho, Abukir chega ao ponto mais alto (ou mais baixo) da carreira quando entra para a Globo.

Em tempo: como se percebe nessas mal traçadas linhas, este ansioso blogueiro é um irrecuperável racista.

Em tempo2: a interminável cobertura da GloboNews da chegada dos mortos à base aérea do Galeão demonstrou que a Presidenta Dilma percebeu o Golpe antártico em andamento. Ela não foi à cerimônia e o vice-presidente Michel Temer, e o Ministro da Defesa (e excelente chanceler) Celso Amorim não falaram ao PiG (*).



Sintonia Fina






Nenhum comentário: