22 de dez de 2011

Para salvar Melo, Folha enforca Lewandowski





O Presidente Lula deve estar com uma saúde de touro premiado.

A Folha (*) parou de dar notícias sinistras oriundas da “equipe médica” presidencial – o que leva a concluir que o Nunca Dantes está ótimo.

Dispensada dos serviços funerais, a Folha se dedica agora a crucificar juízes liberais para salvar os conservadores.

Vamos lá.

O Ministro Gilson Dipp, então Corregedor do Conselho Nacional de Justiça, pediu um levantamento sigiloso das movimentações financeiras suspeitas de juízes.

Fez isso através do COAF, órgão do Ministerio da Fazenda que controla atividades financeiras suspeitas.

(O Daniel Dantas não pode ouvir falar em COAF.)

Não há a menor possibilidade de o Ministro Dipp agir fora da Lei.

É mais fácil a Folha se tornar o New York Times do que Dipp agir fora da Lei.

Dipp foi voto vencido no STJ na votação – conduzida pelo Dr Macabu, o relator – que sepultou, provisoriamente, a Operação Satiagraha.

A Ministra Eliana Calmon, sucessora de Dipp na Corregedoria, deu sequência àquela decisão, especialmente no que se tratava da Justiça de São Paulo.

Diante da possibilidade de Calmon alcançar irregularidade na Justiça de São Paulo – essa é uma hipótese apenas, amigo navegante – o Ministro Melo, Marco Aurélio, Melo, fechou o CNJ até a volta do recesso.

Melo, como se sabe, é um queridinho do PiG (**).

Disputa os holofotes do PiG com o ex-Supremo Presidente Supremo do Supremo, Gilmar Dantas (***).

O Ministro Ricardo Lewandowski concedeu liminar aos juízes que não querem ver as contas investigados.

Lewandowski foi Desembargador em São Paulo e recebeu – dentro da Lei – proventos adicionais em Sao Paulo – tanto quanto Cezar Peluso – e não se sentiu impedido de julgar – LIMINARMENTE – a favor das três associações de magistrados.

Lewandowski, como Ministro do Supremo, não é sujeito a Corregedoria nenhuma.

(Isso é um absurdo, mas em outro capítulo.)

A Corregedoria do Supremo é o Senado.

O Senado do Presidente Sarney, amigo navegante.

Além disso, Lewandowski só julgou porque não havia mais ninguém para julgar àquela hora da noite (21h30) – nem o relator, Joaquim Barbosa.

Veja bem, amigo navegante: Dipp pediu, Calmon, que denunciou os “bandidos de toga “, agiu dentro da Lei, e Lewandowski, indicado por Lula (que esta muito bem, obrigado), são crucificados no PiG.

Especialmente na Folha (*).

O beneficiado é o Melo, o da Súmula Vinculante das algemas que só são usadas em preto, pobre e p …

O Melo do Caciola.

O Melo que instalou a Fogueira das Vaidades na TV Justiça.

O Melo que dá entrevistas em off.

Amigo navegante, cuidado com a Folha (*).

Ela saiu do Sírio Libanês para se instalar no Supremo.

Mudou o domicílio, mas o método é o mesmo.

Só engana os parvos.



Sintonia Fina via Conversa Afiada


"O jornalismo é, antes de tudo e sobretudo, a prática diária da inteligência e o exercício cotidiano do caráter"
(Cláudio Abramo) 

Nenhum comentário: