11 de dez de 2011

Então, é Natal...! "Privataria" lembrou Panetone do sócio em Brasília...l



Chegou o presente de Natal que a tucanada mais temia.

A Privataria Tucana, a reportagem de Amaury Ribeiro que se transformou, ela própria, em notícia, vai aos porões dos anos infames do Governo FHC, onde o patrimônio do povo brasileiro migrou para mãos privadas, deixando grossos pingos de sujeira que a nossa zelosa imprensa nunca quis ver.
 
Sintonia Fina - Jenipapo





"O jornalismo é, antes de tudo e sobretudo, a prática diária da inteligência e o exercício cotidiano do caráter"
(Cláudio Abramo) 


 

2 comentários:

Anônimo disse...

ESSA MÍDIA BRASILEIRA SEMPRE FOI CONTA O POVO.SEMPRE ASSOCIADAS AS FALCATRUAS,ISSO NÃO SOU EU SÓ QUE DIGO,O PRÓPRIO BONI DA GLOBO CONFESSOU QUANDO DISSE QUE MANIPULOU O DEBATE NA CAMPANHA DE 89.IMAGINE QUANTAS MAIS ACONTECERAM!QUANTAS MAIS ADIARAM O PROCESSO DE LIBERTAÇÃO DO FMI,DO BOLÇA FAMILIA QUE TIROU VINTE E OITO MILHÕES DE PESSOAS DA POBREZA ABSOLUTA,QUE LEVOU QUASE QUARENTA MILHÕES PRA CLASSE MÉDIA,QUE FEZ O BRASIL SER RESPEITADO LA FORA,QUE AUMENTOU O PODER DE COMPRA DO SALÁRIO MÍNIMO.QUE CONSTRUIU MAIS FACULDADE QUE FHC,SARNEY,COLOR E MUITOS OUTROS JUNTOS,QUE CRIOU QUATORZE MILÕES DE EMPREGOS COM CARTEIRA ASSINADA EM OITO ANOS,QUE COLOCOU POBRE EM FACULDADE,QUE TROCOU A FROTA DE CARROS VELHOS DOS BRASILEIROS POR NOVOS,QUE POSSIBILITOU QUEM NÃO TINHA COMPRAR UM SEMI-USADO ENFIM;EU PODERIA FICAR AQUI HORAS FALANDO DESSAS MUDANÇAS QUE FORAM ADIADAS POR CAUSA DESSA MÍDIA ODIOSA E QUE SEMPRE ESTEVE DO LADO DOS QUE METERAM A MÃO EM DOIS BILHÕES DO POVO,O MAIOR ROUBO DA HISTÓRIA E QUE COM TODA CERTEZA NUNCA VAI SER LEVADA AO CONHECIMENTO DE NINGUÉM POR ESSES VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO QUE DE CERTA FORMA SÃO CRIMINOSOS TAMBÉM POIS NA MEDIDA QUE NÃO DIVULGAM É PORQUE CONCORDAM.MUITO TRISTE TUDO ISSO PRA QUEM AMA O BRASIL.

Antonio Marcos Carvalho disse...

Privataria e os Quatro Cavaleiros do Apocalipse

Por Marcos Carvalho

E abriu o 1º selo, e eis um Cavaleiro; e o que estava montado nele era um Cavalo Branco de quatro chifres; e o cavaleiro tinha um arco como o de um cupido; e no arco estava escrito "O amor é relativamente lindo".

E adoraram o Cavalo Branco porque ele formava as opiniões.

E abriu o 2º selo, e eis um Cavalo Vermelho; e o que estava montado nele era chamado de Privata e foi dado a ele que tirasse os bens da terra. E o Cavalo Branco deu ao Privata o seu poder; e adoraram o Privata, dizendo "Quem é semelhante ao Privata? Quem poderá batalhar contra ele?". E o Privata que engana os que habitam sobre a terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença do Cavalo Branco, cruzou os 7 mares e feriu toda a terra por muitos anos.

E abriu o 3º selo; e eis um Cavalo Preto; e o que estava montado nele tinha uma balança na mão e venda nos olhos. E ouvi como que uma voz no meio dos quatro seres viventes, que dizia: Um queniz de trigo por um denário, e três quenizes de cevada por um denário; e não danifiques nadica de Nahas. E foi dado a ele que fosse o Guardião das Nádigas de Nahas.

E abriu o 4º selo, e eis um Cavalo Amarelo, e o que estava montado nele chamava-se Morte; e o Nahas seguia com ele; e foi-lhe dada autoridade sobre a quarta parte da terra, para matar com a espada, e com a fome, e com a peste, e com as feras da terra. E ele saiu de seu castelo montado no Cavalo Amarelo, empunhando sua espada e dizendo "Daí a Nahas o que é de Nahas, e o que é de Deus adeus". E o Cavalo Branco que tem 4 chifres que formava opinião e já não forma, vai com ele à perdição. Então a terra é invadida pelo Cavaleiro e a Turba retirada aos pontapés, chorando e implorando misericórdia, mas nem Nahas "Enem" os Cavalos "Enem" os Cavaleiros invadiram a terra para terem misericórdia.

Para se proteger dos quatro cavaleiros e de seus cavalos a turba possuía um livrinho aberto em suas mãos. E colocaram o pé direito sobre um pinheiro e o pé esquerdo sobre o Cavalo Preto e disseram "Não haverá mais demora", neste momento o cavaleiro cai e o cavalo preto é dominado pela Turba passando a servi-los. Então a turba arranca uma das páginas do livrinho e, fazendo uma bolinha de papel, atira violentamente no Privata e o mesmo cai nocauteado. E o papel é devidamente recolhido e reciclado para que dele seja feito diploma e os cavaleiros e seus cavalos sofram de indignação ao verem que a turba é de Deus. Neste momento os quatro cavaleiros ouvem uma voz retumbante dos céus que diz "Cuidado com a Turba que a Turba te pega, te pega daqui te pega de lá". A turba então arranca mais uma folha do livrinho e dá ao Cavalo Branco e ele fica mudo, sendo que na boca da Turba o livrinho é doce como mel.