30 de nov de 2011

Alckmin comete crime de lesa-humanidade ao privatizar saúde pública, afirma promotor



A Rádio Brasil Atual contou, nesta quarta-feira, 10, com a participação do promotor Arthur Pinto Filho, que deu detalhes da ação civil pública, movida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, para impedir que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) coloque em prática a lei aprovada por ele, que transfere 25% dos leitos dos hospitais públicos do SUS, o Sistema Único de Saúde, para particulares e planos de saúde. 

Em entrevista à jornalista Marilu Cabañas o promotor afirmou que o governo do Estado de São Paulo aplicou R$ 77,8 milhões dos recursos, que deveriam ser investidos em programas de saúde, no mercado financeiro. 

Além disso, o governo tucano também deixou de investir R$ 2,1 bilhões de saúde. 

Os movimentos populares de saúde realizam protesto nesta manhã, para protestar contra a privatização da saúde pelo governador Geraldo Alckmin.

Sintonia Fina - Esquerdopata

Um comentário:

R.Cássia Púlice disse...

As privatizações nas instituições públicas e, principalmente no SUS é uma grande vergonha para a população carente e enganada. Quem sabe um dia possam enxergar a realidade do mercado financeiro e não se deixem mais vender...