29 de ago de 2013

Augusto Nunes, coveiro do ‘Roda Viva’


Por Altamiro Borges
O jornalista Augusto Nunes, um dos mais hidrófobos da revista Veja, estreou nesta semana como apresentador do “Roda Viva”, da TV Cultura. O programa, que no passado conquistou prestígio por seu jornalismo sério e mais plural, já vinha declinando em função da forte interferência dos tucanos, que comandam a Fundação Padre Anchieta. Mas com o histérico Augusto Nunes a tendência é piorar ainda mais. Na sua estreia, ele levou seus amiguinhos reacionários para o estúdio. Como apontou Nelson de Sá, colunista da Folha, “o novo ‘Roda Viva’ vira extensão do site da Veja”. Vale conferir o seu crítico e lúcido comentário:


*****

Com exceção do jornalista Reinaldo Azevedo, que não participou desta vez, foi como acompanhar os debates apresentados no site da revista "Veja" sobre o julgamento do mensalão.

No novo "Roda Viva", na TV Cultura, mantida pelo governo de São Paulo, estavam lá os mesmos Augusto Nunes, como apresentador, o historiador Marco Antonio Villa, agora como entrevistador, e o advogado Miguel Reale Jr., agora entrevistado.

Ao longo do último ano, os três protagonistas estiveram lado a lado em debates on-line nos quais concordavam quanto ao que deveria ser feito pelo Supremo.

Reale foi apresentado, anteontem, como ex-ministro "no governo Fernando Henrique Cardoso" e ex-secretário paulista. A fase anterior do "Roda Viva", apresentado por Mario Sergio Conti, chegou a programar entrevistas seguidas com José Serra e FHC, há dois meses.

A diferença é que ambos foram então minimamente questionados, enquanto Reale se manteve lado a lado com a maior parte das perguntas, antes acrescentando do que respondendo.

Sobre a suposta "pressão da mídia" criticada pelos réus do mensalão, por exemplo, afirmou que teria ocorrido o contrário. "No período entre 2005 e 2012, vendeu-se na mídia a ideia de que eles eram inocentes." Lembrou "reportagem de Veja' em que [o ex-tesoureiro petista Delúbio Soares] estava feliz, fazendo churrasco, dizendo que nada ocorreria".

No ritmo em que vinha o programa, foi o próprio Reale quem acabou trazendo à tona, por sua conta, o paralelo com o "mensalão mineiro" - que havia sido notícia nos dias anteriores porque ficou para as calendas, no mesmo Supremo.

Mas o fez para afirmar e repetir que não é possível julgar o escândalo tucano da mesma maneira, "é uma coisa diferente, não houve compra de deputado".

Na mesma direção, o escândalo do cartel em São Paulo foi levantado no final, pelo jornalista Raimundo Rodrigues Pereira, mas a pergunta foi longa e confusa - e a resposta de Reale, curta e genérica, evitando citar Siemens e outras partes.

"Eu creio que o financiamento [eleitoral] não deve ser exclusivamente público, deve ser privado, mas proibindo empresa que venha a ser fornecedora do poder público", disse Reale.

Além do julgamento do mensalão, os outros focos da entrevista foram o programa Mais Médicos e a fuga do senador e asilado boliviano para o Brasil, temas em que o ex-ministro também se resumiu a reforçar as críticas ao governo federal já presentes nas perguntas.

Registre-se que era o primeiro programa, desfalcado não só de entrevistadores que haviam sido anunciados, mas de entrevistados. Foram convidados, antes de Reale, a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula.

*****

Tendo o tendencioso Augusto Nunes como apresentador – ou coveiro –, o programa Roda Vida tende a definhar de vez. A própria substituição do âncora anterior, Mario Sergio Conti, já tinha gerado suspeitas. Ele foi defenestrado antes do prazo final do seu contrato. O grão-tucano Marcos Mendonça, novo presidente da Fundação Padre Anchieta, mantenedora da TV Cultura, não explicou os motivos do corte abrupto. Antes, ele já havia demitido cerca de 40 funcionários da emissora pública. Ex-vereador, deputado do PSDB e secretário estadual de Cultura em dois governos tucanos, ele está montando o “seu time” para as eleições de 2014. 

*****

Não precisa desenhar, eu entendi bem a jornalista Micheline Borges, entendi o que ela quer, o que importa para ela é a “postura” do médico, é o carro importado, a roupa branca de grife. O CRM que dá direito ao Dr. antes do nome. Não lhe importam o conhecimento, a experiência, o profissionalismo, a ética, a dedicação aos pacientes mais carentes. O médico da jornalista Micheline Borges é bonitinho mas ordinário.

Um comentário:

PraFrenteMeuBrasil disse...

A TV Cultura, estatal do estado de São Paulo, estado este gerido, ou mal gerido por Alckmin, desta vez não fez questão sequer de disfarçar, em um ato que enche o povo de vergonha, usou a emissora do estado para se auto-promover, colocando a bancada do PSDB em peso no Roda Viva, o novo ninho tucano visa apenas as eleições de 2014, pelo menos sabemos que voltaremos a ter um programa de qualidade depois das eleições, e não um horário "eleitoreiro" gratuito e extemporâneo.