11 de mai de 2013

COMISSÃO DA VERDADE VAI TER QUE ENFRENTAR ASSASSINOS DA DITADURA


A Comissão não dará em nada se não houver coragem para enfrentar pessoas que um dia tiveram poder de fazer o que Brilhante Ustra tenta (abafar o caso) e que se acredita que não tenham mais.

Por EDUARDO GUIMARÃES


O "espetáculo" de autoritarismo, mitomania e cinismo dado pelo coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra durante seu depoimento à Comissão Nacional da Verdade nesta sexta-feira (10) foi apenas prévia de uma situação que se espera que tenha sido prevista quando foi pensada a missão de contar ao Brasil e ao mundo o que ocorreu neste país durante a ditadura militar (1964-1985).
Para quem não sabe, Brilhante Ustra, um dos mais violentos torturadores do regime de exceção que se abateu sobre este país durante mais de duas décadas, protagonizou um bate-boca com os membros da Comissão.
O ex-chefe do DOI-Codi de São Paulo entre1970 e 1974 (período que é considerado o mais macabro daquele regime de viés absolutamente nazista) afirmou que a presidente Dilma Rousseff "Militou em organizações terroristas", que "Nunca houve assassinatos" praticados pelo regime, que as organizações de esquerda que resistiram à ditadura "Tinham como objetivo implantar a ditadura do proletariado" e "O comunismo".
Brilhante Ustra, apesar de habeas-corpus concedido pela Justiça Federal que lhe garantiu o "direito" de ficar calado, respondeu algumas perguntas por opção. Todavia, fê-lo aos gritos e batendo na mesa. Além disso, fez-se acompanhar de dois outros militares da reserva que juntaram-se a ele quando, fora de si, insultou membros da Comissão e a própria presidente da República.
Apesar de estarem surgindo provas testemunhais e materiais dos horrores praticados no Brasil durante aquele período macabro de nossa história e apesar de o país ter sido advertido pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos e até pela ONU por não punir os criminosos da ditadura, a Comissão da Verdade não dará em nada se não houver coragem para enfrentar pessoas que um dia tiveram poder de fazer o que Brilhante Ustra tenta (abafar o caso) e que se acredita que não tenham mais.
O STF – Corte que tem um ministro que julga que aquele horror todo foi um "mal necessário" – já deu sua proteção aos Brilhantes Ustras que caminham por aí livres e afrontando as vítimas de suas sessões de tortura como, por exemplo, o vereador de São Paulo Gilberto Natalini (PV), quem, pouco antes do piti de Ustra, disse que foi torturado com requintes de crueldade por ele e que depois foi insultado por seu algoz pretérito.
Note-se que os "jeitinhos" na Justiça – tais como o habeas-corpus que garantiu a Brilhante Ustra meio de ir depor na Comissão da Verdade sem responder a questões que deveriam ser respondidas caso fosse realmente inocente – e uma ajudinha da mídia que ajudou a implantar e a sustentar a ditadura se tornarão cada vez mais explícitos conforme for chegando a hora de a onça beber água.
Essa tal hora de a onça beber água será quando os trabalhos da Comissão da Verdade começarem a ser expostos à sociedade, porque Brilhante Ustra e outros como ele terão que encarar suas famílias e amigos após as revelações macabras que virão. Além disso, a Comissão deverá expor a atuação criminosa das famílias midiáticas Marinho, Frias e Mesquita, entre outras.
Quando estiverem chegando ao fim os trabalhos da Comissão – o que deve ocorrer no primeiro semestre do ano que vem –, que ela e a própria presidente Dilma não tenham dúvidas: todos os que colaboraram com a ditadura sairão de suas tocas para opor suas mentiras à verdade que se quer apurar e expor ao Brasil e ao mundo.
Além de decisões judiciais, matérias na grande mídia, acusações à presidente da República e sabe-se lá mais o que, haverá que ver até que ponto as Forças Armadas "permitirão" que o que fizeram àquela época seja contado pela Comissão da Verdade ao Brasil e ao mundo. E note-se que nem se está pedindo, ainda, as exigíveis punições a gente como Brilhante Ustra...
com 247

Participe do Esquerda Censurada

Nenhum comentário: