12 de mai de 2013

A Direita mente. Como sempre, simplesmente mente



A mente preguiçosa é o melhor terreno para se plantar preconceitos e idéias reacionárias. Não é à toa que a direita brasileira e a parte da mídia a quem é associada, ou seja, quase toda ela, se apresentam como os melhores semeadores das barbaridades fascistas que encontramos hoje nas ruas, bares e feicibuques da vida, eis que estudar, ler e pesquisar dão mais trabalho que simplesmente ver e ouvir (TV e Rádio, p.ex.).
Ainda há pouco, Miguel do Rosário, no seu saboroso "O Cafezinho", apontava mais uma vez a nudez de razões de Roberto Damatta - mais um direitoso a serviço da semeadura dessas ervas daninhas - quando tocou no assunto "Esquerda X Direita". E aí me veio, instantaneamente, a inelutável constatação de que a direita mente. 
Ou melhor: à direita, só resta mentir. Não se trata de nenhuma ofensa gratuita ao pensamento de direita ou de esquerdismo doentio, ou PTralhismo ou seja lá o que os semeadores de bobagens possam dizer, trata-se de simples e honesta constatação do óbvio. 
Em um sistema democrático, onde o que vale é o voto do povo (cada homem, um voto) não há como o pensamento de direita prevalecer. A menos que mintam. E, sendo o que lhes resta, mentem!
Voltando lá no texto de Miguel, ele nos lembra que, bem antes da revolução francesa, as lutas sociais já existiam com lados definidos e nos dá o exemplo da Roma antiga, citando a obra de León Homo. 
Com a permissão do Miguel, eis um trecho com alguns destaques meus: "De fato, ao se estudar a realidade daqueles tempos, não é difícil constatar que a classe dos nobres, dos aristocratas,o partido dos 'optimates', representava a direita romana; plebeus, estrangeiros, trabalhadores, o partido dos “populares”, correspondiam à esquerda. Havia pessoas boas e más em ambos os lados."
A constatação a que me referi acima é simples: se o pensamento de esquerda representa o povo, os trabalhadores, os "plebeus", e o pensamento de direita representa o grande capital, os ricos e abastados, os banqueiros e rentistas; e sendo os trabalhadores e "plebeus" a inegável maioria da população votante, como pode, ou poderia, a classe de milionários, abastados, banqueiros e rentistas (a direita) ganhar mais votos que a maioria? 
Em uma eleição majoritária seria lógica e matematicamente impossível eleger um direitista. Só tem um jeito: Mentir! Um direitista não pode, em uma eleição pra governador, por exemplo, sair por aí em campanha a pregar o fim de atendimento gratuito em hospitais públicos, diminuição de vagas em escolas públicas, redução dos gastos com a seguridade social, o aumento da conta d'água etc. 
É o que pensam, é no que acreditam e é o que fariam se lá estivessem (e fazem quando lá estão), mas existe um obstáculo a ser vencido: o voto do povo. Então, mentem. Atualmente a mentira que está em voga é a hilária "podemos fazer mais". 
Já foi usada em 2010, mas promete voltar com toda força em 2014. “Roberto Freire comunista” e o principal partido de extrema direita chamar-se DEMOCRATAS, são apenas dois exemplos de mentiras da direita que, aliás, já não conseguem mais se sustentar. 
Simplesmente estão derretendo.
A mentira acompanha a direita em um sistema democrático, mais por uma questão de sobrevivência, do que por puro desvio de caráter. São gêmeas xifópagas: se forem separadas, morrem! Temos, contudo, que ter consciência de que a direita mente e vai mentir até quando funcionar. 
Quando constatarem que não está mais adiantando, que o “plebeu” não está mais caindo na mentira, o remédio aplicável é outro, amargo como sabemos, pois, bem recentemente, já nos foi empurrado goela abaixo.
Por isso, em 2014, confirmadas as pesquisas atuais e eleito, mais uma vez, um governo trabalhista de esquerda para outro mandato presidencial, penso que é hora de vigilância total, pois será sinal que as mentes preguiçosas começam a despertar uma a uma e as mentiras, por si só, já não dão mais conta do dilema da direita. 
Aí..., bem, aí será a HORA DA VERDADE!
T.G. Meirelles

Nenhum comentário: