30 de abr de 2013

SOB AMEAÇA DE ATO HOSTIL ( ARTICULADO PELA OPOSIÇÃO E GLOBO/PIG ), DILMA NÃO IRÁ AO 1° DE MAIO



"Enquanto a gente não tiver o 1º de Maio unificado, não faz sentido a presidente fazer uma escolha", afirmou o ministro Gilberto Carvalho; sindicatos anunciaram que pretendem usar o feriado do Dia do Trabalhador para demonstrar sua insatisfação com o governo; a Força Sindical convidou ao palanque os candidatos da oposição, Aécio Neves (PSDB-MG) e Eduardo Campos (PSB-PE), enquanto a CUT, que até agora se mostrava aliada, avalia mudar o posicionamento...
O ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) afirmou nesta segunda-feira (29) que a presidente Dilma Rousseff "certamente" não participará dos eventos de 1º de Maio.
"Enquanto a gente não tiver o 1º de Maio unificado, não faz sentido a presidenta fazer uma escolha no 1º de Maio. A presidenta recebeu as centrais, nós estamos trabalhando a pauta das centrais, mas ela não vai ao 1º de Maio."
O ministro também disse ontem que o governo tem "muito o que comemorar" na data, além do "orgulho" de dialogar com os trabalhadores.
As centrais sindicais anunciaram que pretendem demonstrar sua insatisfação com o governo Dilma Rousseff no feriado do Dia do Trabalhador. A Força Sindical pretende dar espaço aos candidatos da oposição - Aécio Neves (PSDB-MG) e Eduardo Campos (PSB-PE), enquanto a CUT, que até agora se mostrava aliada, avalia mudar o posicionamento.
De acordo com a colunista Vera Magalhães, do Painel, da Folha, para aplacar a revolta das centrais sindicais, a presidente receberá hoje Gilberto Carvalho para discutir os itens da pauta trabalhista, cabendo ao ministro Manoel Dias (Trabalho) levar a posição do Planalto aos eventos festivos de amanhã, em São Paulo. Leia:
Que tal?
O governo estuda propor a sindicalistas um calendário escalonado para atender duas de suas reivindicações, projetando para o pós-2014: a redução da jornada para 40 horas semanais e o fim do fator previdenciário.
Contra o tempo
A presidente também convocou para hoje reunião com sua equipe para tratar do projeto que regulamenta os direitos dos trabalhadores domésticos. O impasse está nas regras para as indenizações rescisórias.
Ideia fixa
A CUT usará seu ato de 1º de Maio em São Bernardo para reforçar a campanha pela regulação da mídia. A entidade esperava ser presenteada com a liberação do canal digital da TV dos Trabalhadores, com alcance restrito hoje, mas o decreto federal não ficou pronto.

Nenhum comentário: