21 de abr de 2013

GLOBO DETERMINA A DILMA QUE SE CALE


SE DILMA NÃO DER UM BASTA NESSA IMPRENSA TERRORISTA, PODERÁ PERDER O CONTROLE DO PAÍS E SER OBRIGADA A CONVOCAR O POVO PARA SALVAR NOSSAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS.

Na escalada da imprensa contra a presidente Dilma, agora é a revista Época, de João Roberto Marinho, que propõe o seu silêncio; "a presidente Dilma se comporta como se soubesse tudo", afirma o editorial da publicação, que a compara com Lula e diz que o antecessor se saiu melhor; também neste domingo, o Estadão questiona a capacidade cognitiva de Dilma...


Aos poucos, os veículos da mídia tradicional explicitam sua guerra à presidente Dilma Rousseff. Na semana passada, as capas de Veja e Época, dedicadas à chamada "crise do tomate", foram um marco importante. Neste domingo, num editorial raivoso, o jornal Estado de S. Paulo, que enfrenta grave crise financeira, questionou a capacidade cognitiva da presidente Dilma Rousseff.
Mas, neste fim de semana, o fato mais importante é o editorial da revista Época, de João Roberto Marinho, dado o peso das Organizações Globo na mídia brasileira. O texto "Menos palavrório, Dilma", que abre a edição da semanal, é praticamente um "Cala a boca, Dilma", na linha dos personagens Caco Antibes e Magda.
Segundo o texto, "ao transformar a taxa de juros numa bandeira política, a presidente mina a credibilidade do BC". Já é sabido que, por razões políticas e econômicas, a Globo trabalha para que o Brasil chegue em 2014 com inflação alta, crescimento baixo e os juros mais altos possíveis. Mas o editorial desta semana explicita a guerra. Eis um trecho:
"A presidente Dilma se comporta como se soubesse tudo. Na questão dos juros, ela deveria conter seus arroubos voluntaristas. Toda vez que ela fala sobre o assunto, mina a credibilidade do BC em seu papel de condutor das expectativas de inflação. O ideal seria que o BC, à semelhança de seus similares nas nações desenvolvidas, tivesse, assegurada em lei, independência para exercer seu papel de guardião da moeda. 
Como o Brasil não amadureceu a esse ponto, o melhor seria que Dilma se mirasse no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula, na prática, deu autonomia ao então presidente do BC, Henrique Meirelles, para tomar as medidas necessárias para controlar a inflação. Os resultados de Lula foram, em todos os indicadores, muito superiores aos obtidos por Dilma até aqui".
com 247

Nenhum comentário: