3 de abr de 2013

FELICIANO QUER É CHAMAR A ATENÇÃO


Sakamoto, jornalista do UOL é da opinião de que, uma vez que a permanência do deputado e pastor evangélico na Comissão de Direitos Humanos é incerta, "agora é vale-tudo", mesmo que o parlamentar não acredite em tudo o que ele mesmo diz; Leonardo Sakamoto avalia que Marco Feliciano não tem chances de cargos majoritários relevantes, mas que certamente arrastará deputados com ele em 2014...

******


O verdadeiro objetivo do deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) é chamar a atenção de seu público, acredita o jornalista Leonardo Sakamoto. Em seu último post no Blog do Sakamoto, do UOL, ele chega a cogitar que o próprio presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara possa não acreditar nas coisas que diz, mas que neste momento, em que sua permanência à frente do colegiado é incerta, "é vale-tudo".
Leia abaixo:
Satanás, Coelho da Páscoa e Marco Feliciano: quem é o personagem de ficção?
Um colega veio bege me contar uma cena surreal pela qual havia acabado de passar. Estava ele passeando com o seu pulguento quando, ao encontrar com uma senhora também levando o seu, puxou assunto. Ela, sem que lhe fosse perguntado absolutamente nada a respeito, afirmou que o seu au-au era ariano e não gostava de judeus. Embasbacado, afirmou ser judeu e não compreender o comentário apenas para, na sequência, receber uma saraivada de substantivos que não merecem ser citados neste espaço por conta da presença de crianças na internet.
Sou muito fã do mantra "se não tem algo bom para falar com estranhos, fique quieto". Mas nem todos são assim e, vez ou outra, de forma surpreendente a gente é atingido por uma dessas. Tá certo que isso é mais fácil de acontecer em comentários de blogs e redes sociais por conta do anonimato que facilita o diálogo, mas também privilegia a covardia.
O interessante é que, ao se criticar uma abobrinha como essa, há quem saia em defesa dos maiores preconceitos sob a justificativa da santa liberdade de expressão.
Preguiça... Algumas pessoas adoram elaborar vastas teorias sobre liberdades individuais mas detém um conhecimento sobre o assunto tão rico quando aquele que pode ser obtido nos cartões que acompanhavam o chocolate Surpresa ou nas figurinhas de chiclete Ploc. Por isso, não vou nem tentar explicar o porquê dos direitos humanos serem indivisíveis e interdependentes e que um tem sempre que ser olhado junto com os outros. E que nenhum direito é absoluto – se o direito à moradia fosse absoluto, melhor seria abolir o direito à propriedade privada, quando este afeta a efetivação do primeiro, não?
(Talvez se eu colocar esse debate no porta-luva de um carro zero, no verso de um convite de balada, na embalagem de um jogo de videogame ou como merchandising de novela das 21h consiga ser entendido.)
Falar, a gente pode falar qualquer coisa. O ar aceita o aroma mais agradável de perfume ou o cheiro do ralo. Mas certas coisas que afetam a dignidade das outras pessoas, deveríamos guardar para nós mesmos. Ponderei com o meu colega que talvez a tosca senhora em questão quisesse apenas causar para chamar a atenção e fazer-se existir – muitas pessoas em situação de rua, por exemplo, atormentam os transeuntes não por terem problemas com a sociedade, mas exatamente por terem sido excluídos dela e tentarem, com isso, deixarem sua invisibilidade. Ou ela era uma preconceituosa fora da casinha, vai saber.
Mas em alguns casos o problema não são as pessoas que falam sem pensar, mas aquelas que pensam muito bem antes de falar. A última de Marco Feliciano – de que antes da chegada dele, a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados era dominada por Satanás antes de sua chegada como presidente – vai nesse sentido. Na minha opinião, as falas e aparições públicas do pastor vão ser cada vez mais bem calculadas para capitalizar o máximo de retorno junto o seu público – que acredita que homossexualidade é coisa do Tinhoso. Ou seja, não é que ele acredite exatamente em tudo o que fale mas, agora, pouco importa. Uma vez que a permanência dele na comissão é incerta, agora é vale-tudo. Como já disse aqui antes, Feliciano não tem chance de cargos majoritários relevantes, mas vai sim arrastar mais deputados com ele nas próximas eleições.
Particularmente, acho que a existência de Satanás entra na mesma categoria do Coelho de Páscoa e de Papai Noel. Mas, é claro, que seria muita ignorância fazer de conta que a personificação do mal não está presente, de certa forma, em praticamente todas as sociedades humanas. E que vincular isso a uma comissão que defende direitos fundamentais de minorias sistematicamente excluídas diante de uma plateia de pessoas que, com o perdão da palavra, são ignorantes no assunto e são muito suscetíveis ao que dizem seus guias espirituais sobre o tema, é uma jogada política das mais rasteiras e das mais brilhantes. Não é coisa de um Zé Ninguém, como muitos gostam de afirmar. Vi a entrevista que ele deu a Fernando Rodrigues, aqui do UOL, e o cara é bom – da clínica de abortos de sua mãe à reclamação de uma "ditadura gay", ele consegue dar voz a um público que vive nas sombras de sua própria desinformação.
O problema é que isso é um desserviço sem tamanho ao país. Sangue e lágrimas foram derramados para avançarmos, um tiquinho por vez, na efetivação da dignidade e da igualdade de direitos. E, com a ajuda dessas presepadas com objetivo político-eleitoral, vamos dando saltos para trás.

SINTONIA FINA - @riltonsp

Nenhum comentário: