4 de mar de 2013

Economia dá os primeiros sinais de recuperação


graos Economia dá os primeiros sinais de recuperação
Ricardo Kotscho
Mal deu tempo para a oposição tripudiar sobre o "pibinho" de 0,9% anunciado na semana passada, e a economia brasileira já começa a dar os primeiros sinais de recuperação neste início de ano.
Os últimos números são animadores. Por exemplo: depois de quatro trimestres seguidos de queda, os investimentos registraram um crescimento de 0,5% nos últimos três meses de 2012, o que o governo atribui aos cortes nas taxas de juros.
Outros indicadores importantes: com os cortes nas tarifas, o consumo de energia cresceu 4% em janeiro e, o de papel ondulado, 10%. A venda de caminhões e máquinas disparou no momento em que o País começa a colher a maior safra de grãos da sua história.
No mercado de trabalho, a renda aumentou e a taxa de desemprego, em 2012, segundo o IPEA (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas), ficou em 5,5%, a menor média anual dos últimos dez anos.
A inflação anual continua girando em torno de 6% ao ano, é verdade, bem acima da meta de 4,5%, mas vai registrar uma desaceleração de janeiro, quando chegou a 0,86%, para 0,4%,em fevereiro.
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou animado com a receptividade que encontrou na viagem aos Estados Unidos, na semana passada, em que deu início ao "road-show" programado pelo governo para atrair investidores estrangeiros, em especial para a área de infraestrutura. E já pensa em agendar encontros também na Ásia.
Na contramão do noticiário negativo sobre as perspectivas da economia brasileira, que alimentam os discursos da oposição de olho nas eleições presidenciais, a Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais (Sobeet) divulgou nesta segunda-feira um estudo mostrando o acelerado aumento de investimentos estrangeiros diretos (IED) no país entre 2003 e 2012.
Nestes dez anos, o Brasil pulou do 15º pra o 4º lugar entre os países que mais atraíram investimentos, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, da China e de Hong-Kong. Segundo a Agência Estado, a participação brasileira nos fluxos de investimento foi a que mais cresceu no mundo neste período, passando de 1,7%, em 2003, para 5%, em 2012.
Sempre que o caro leitor sentir o desânimo bater, depois de ler a opinião dos analistas econômicos e especialistas em geral na grande imprensa, vale a pena dar uma ligada para o Ministério da Fazenda e checar como andam as coisas.
Serve, pelo menos, para não perder as esperanças e começar a semana mais animado.

SINTONIA FINA

Nenhum comentário: