14 de fev de 2013

SERÁ QUE PEDRO TAQUES É O NOVO DEMÓSTENES?

Senador Pedro Taques (PDT-MT) baseou campanha a presidente do Senado em reputação ilibada, mas denúncia de prevaricação, associação e financiamento de campanha com recursos da chamada máfia dos combustíveis de seu Estado, ligações profissionais de sua mulher com entidade de donos de postos de gasolina, oposição ferrenha a programa de hidrovias e condenação de seu ex-segurança como fraudador ainda não foram suficientemente explicadas; será ele a versão 2013 do inesquecível paladino da ética às avessas?

247 – Carregar a bandeira da moralidade absoluta não é para qualquer um. O último que tentou fazer desse estandarte seu abre alas de apresentação perdeu a filiação partidária, o mandato de senador e não pode passear por um shopping center de grande cidade sem o risco de ser escorraçado: Demóstenes Torres, ex-DEM-GO, flagrado pela Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, como principal braço político do contraventor Carlinhos Cachoeira.
Neste momento, uma dúvida assalta gabinetes bem aparelhados da política em Brasília. Será o senador de primeiro mandato Pedro Taques, do PDT do Mato Grosso, uma versão 2013 adaptada do modelo Demóstenes de fazer política até 2012?
A interrogação, em que pese a indignação ou euforia que possa causar, faz sentido. Igualmente, como Demóstenes, procurador da República antes de eleger-se senador, em 2010, Taques deve uma série de explicações sobre seu passado no cargo. Ele foi apontado pelo jornalista José Marcondes, de Cuiabá, como tendo desempenhado sua função em forte sintonia com o grupo que, ao ser parcialmente desbaratado, a Polícia Federal chamou de 'máfia dos combustíveis' no inquérito da Operação Tentáculos. Iniciada em 2001, essa ação policial causou a prisão de pelo menos oito pessoas em Mato Grosso.




Entre os presos estava um dos seguranças do procurador Taques, o ex-policial federal e advogado Jarbas Lindomar Rosa. Em março do ano passado, o juiz federal José Pires da Cunha, da 5ª Vara Federal de Cuiabá, condenou Rosa há 15 anos de reclusão pelos crimes de formação de quadrilha ou bando, corrupção passiva, facilitação de contrabando e adulteração de placas ou chassis de veículos. Ele também foi punido por realizar interceptação telefônica sem autorização judicial.
Lamentável coincidência? A ver. Presidente do SindPetróleo do Mato Grosso, o empresário Aldo Locatelli admitiu, em 2010, ter emprestado seu jatinho para Taques percorrer o Estado em campanha para senador. No período anterior à campanha, a mulher de Taques, advogada Samira Martins, foi contratada como profissional do departamento jurídico da entidade. O início da relacionamento remunerado de trabalho passou a acontecer logo após a filiação do então candidato a senador ao PDT.

Com força no partido no momento que abria sua campanha que se confirmou vitoriosa, Taques comandou uma série de mudanças na máquina partidária local, em cidades estratégicas. Vizinha a Cuiabá, Várzea Grande passou a ter o empresário Fernando Minoso, também do ramo de combustíveis (Posto Zero) como presidente. Em Barra do Garças, todos os membros antigos do diretório foram destituídos para que o empresário Ubaldino Rezende, maior revendedor de combustíveis do Vale do Araguaia, passasse a ser o chefe da agremiação. O braço direito, amigo, homem de confiança e também maior doador da campanha eleitoral de Pedro Taques é Fernando Mendonça, ligado a usineiros de álcool da cidade de Jaciara.
Essas informações foram divulgadas, na imprensa do Mato Grosso, pelo jornalista José Marcondes. Ele sustenta, em processo que foi aberto contra ele por Taques, que, enquanto procurador, o hoje senador atuou firmemente para impedir que um programa de hidrovias fosse implantado no Estado, em nome de questões ambientais passíveis de ampla discussão, cuja eficiência prejudicaria diretamente as vendas de combustíveis para carros e, especialmente, caminhões em Mato Grosso.
Um dia após escrever em sua página na internet que Taques estava sendo financiado pelo barões locais dos combustíveis, Marcondes foi demitido da rádio em trabalhava, a Mega FM. Ele declarou, na ocasião, que tinha medo de ser assassinado, como acontecera com um juiz e um advogado que seguiram as mesmas pistas. "Fui perseguido por ordem de Aldo Locatelli", diz Marcondes, referindo-se ao atual presidente do SindPetróleo do Mato Grosso. "Taques fez boa parte de sua campanha no jatinho dele, mas isso não consta de sua declaração formal à Justiça Eleitoral", prossegue o profissional. "Não vão me calar". Ele vai mais longe. "Enquanto procurador, Taques prevaricou", diz. "No processo de extradição de Marcos Peralta, testemunha-chave no caso Leopoldino (o juiz morto, suspeita-se, por profissionais do crime), ele não fez o que devia e o Peralta foi morto numa queima de arquivo. Auro Ida (também assassinado) já havia o questionado isso", lembrou.
Seria interessante o senador pedir a palavra para falar a respeito.

Sintonia Fina

Nenhum comentário: