7 de fev de 2013

CRISE É A PALAVRA DA MODA



Crise é a palavra da moda.
Está em todas as notícias dos jornalões, em todos os artigos, em todos os editoriais dos jornalões.


O país vive em crise, a presidente Dilma e os seus ministros adoram uma crise, curtem uma crise como se ela fosse a paixão de suas vidas.
O governo baixa os impostos, coisa que só o mais imbecil dos imbecis pode achar ruim, e isso vira uma crise.


O desemprego atinge os níveis mais baixos da história, coisa que só os mais idiotas dos idiotas pode achar ruim, e isso vira uma crise.


O comércio vende como nunca - e isso é sinal de uma grande crise.
Os juros baixam para o nível dos países ultracivilizados (que, aparentemente, mesmo contrariando todas as evidências, nunca estão em crise, pelo menos para os nossos jornalões) e isso cria uma baita crise.


O crédito ao consumidor, até outro dia pingando a conta gotas, consegue hoje chegar a todos e, nossa!, haja crise.


A miséria vai desaparecendo das vidas de milhões de pessoas, que vão se tornando seres humanos, e isso é a demonstração que a crise é maior que se pensava.


Quem lê jornal atualmente - e são cada vez menos os que se dedicam a essa entediante tarefa - deve ser no mínimo um masoquista, daqueles que gostam de sofrer, porque não há uma pagina em que a palavra crise não esteja enfeitando o título de uma notícia.


A conclusão é que o mundo está em crise, mas a crise do mundo não é nada demais perto da nossa crise.


A crise brasileira é muito maior que essa outra dos outros, essa crisezinha de nada que teve a coragem de bater na porta do maior império do planeta, que tentou arrombar os cofres da velha e boa Europa.


Boa mesmo é a nossa crise, enorme, fantástica, horripilante, de uma malignidade de provocar arrepios no mais calmo dos homens.


Se não podemos ser os maiores e muito menos os melhores, que pelo menos sejamos os piores.
A crise, a verdadeira crise, a crise absoluta, é privilégio nosso, só nosso.


Amamos a crise, não vivemos sem ela.
A crise é o nosso tesouro mais sagrado.

Viva a crise e tudo de bom que ela nos traz!





Sintonia Fina
Via Crônicas do Motta



Nenhum comentário: