2 de fev de 2013

ARMAÇÃO NO STF:Refém de Gilmar Mendes, Valério nega autoria de lista


Em liberdade em função de liminar concedida por Gilmar Mendes, Valério nega autoria de lista e se irrita ao depor na PF sobre mensalão do PSDB

 Confira também

PSDB já se articula para expulsar Eduardo Azeredo

Presidente do Senado, Renan Calheiros pode virar réu no STF

Barbosa finaliza 2ª-feira sua parte do acórdão do mensalão

Maia muda cargo no comando da Câmara para evitar desgaste do PSD

Após derrota, Taques diz aguardar decisão do STF sobre Renan

  Interação

Imprimir
Enviar por e-mail
Delicious
Digg
Google bookmarks
Reddit
Windows live
Yahoo my web

Sumido desde que foi condenado pelo Supremo Tribunal (STF) a 40 anos de prisão, acusado de ser o operador do mensalão, Marcos Valério reapareceu nesta sexta-feira de manhã, na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Belo Horizonte, onde permaneceu por uma hora e vinte minutos prestando depoimento em inquérito instaurado em São Paulo para apurar uma suposta lista de beneficiários do mensalão do PSDB.

Trajando blazer, calça e camisa preta, Valério chegou às 10h20 acompanhado de seu advogado, Sérgio Leonardo. Bastante irritado com a presença de jornalistas, Valério não quis dar entrevista.

“Sai da minha frente. Aqui dentro você não pode ficar”, bradou, enquanto entregava seus documentos na portaria da delegacia.

Em seu depoimento, Valério, segundo seu advogado, negou a autoria da lista. O documento aponta supostos beneficiários de repasses do mensalão mineiro, como ficou conhecido o processo de caixa 2 na reeleição do ex-governador Eduardo Azeredo, em 1998. Desmembrado, parte do processo está no STF e outra na Justiça Federal em Minas Gerais.

Valério foi indiciado em outro inquérito da PF. Derivado da "Operação Terra do Nunca", da PF da Bahia, ele é acusado pelos crimes de estelionato, uso de documento falso e falsidade ideológica. Segundo a PF mineira, a agência DNA Propaganda Ltda tinha uma dívida de R$ 9,5 milhões com o INSS.

Como garantia em penhora de execução fiscal, ofereceu cinco fazendas na cidade de São Desidério, na Bahia. Os imóveis, na realidade, não existem. De acordo com a PF, o objetivo com fraude era quitar o débito fiscal para a DNA Propaganda conseguir certidão negativa de débito para pode participar de licitações públicas. As informações são do O Globo.

Sintonia Fina
via Novojornal

Nenhum comentário: