29 de nov de 2012

Só o Ministério Público não sabia.

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!

MP investiga remoção de favelas próximas a lançamento de 14 empreendimentos em SP

Favela do Piolho, no Campo Belo, zona sul de SP
A Promotoria de Habitação e Urbanismo de São Paulo investiga a remoção de moradores de favelas localizadas no entorno de 14 empreendimentos imobiliários lançados ou em vias de lançamento na região da avenida Chucri Zaidan, polo comercial de alto padrão do Campo Belo, na zona sul da capital paulista.

A área está dentro do perímetro da operação urbana Água Espraiada, da Prefeitura de São Paulo, que prevê a revitalização da região, próxima à avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, com a implementação de habitações sociais, sistema viário e transporte coletivo.

De acordo com o promotor José Carlos Freitas, o Ministério Público apura se as famílias removidas, supostamente em função de interesse imobiliário, estão sendo levadas para habitações sociais perto de onde moravam, conforme previsto.

Clique na imagem para ver em tamanho maior

  • Arte/UOL
"Pela lei que a criou, a operação urbana precisa prover essas habitações às famílias removidas dentro da sua área de abrangência. O que verificamos é que o poder público está tentando tirar famílias que moram em favelas de todo o entorno da Chucri Zaidan para jogá-las em outro extremo desse perímetro, no Jabaquara", disse Freitas, em entrevista ao UOL.

Para o promotor, "o programa político hoje é de expulsão dessas famílias". "São porteiros, donas de casa, domésticas com seus trabalhos e filhos em creches, por exemplo. Transferir essas pessoas para longe dali é mais gasto público com infraestrutura e mais bolsões de pobreza que tradicionalmente se formam", afirmou, ressaltando que a escolha por áreas distantes é conveniente ao governo municipal. "São áreas bem menos valorizadas."

Incêndios em favelas de São Paulo em 2012

Foto 1 de 200 - 16.nov.2012 - Moradores tentam recuperar seus pertences e reconstruir suas casas na favela Fazendinha, na Penha, zona leste da capital paulista. 
O local foi destruído por um incêndio na quarta-feira (14) deixando cerca de 250 barracos e aproximadamente 400 famílias sem nada, segundo relatos dos moradores Marcelo Camargo/Agência Brasil

Freitas solicitou em setembro à Prefeitura de São Paulo dados sobre a assistência médica, social e habitacional dada aos moradores da região da Água Espraiada, inclusive da favela Sônia Ribeiro, conhecida como Piolho, que foi alvo de um incêndio que deixou mais de mil desabrigados no início daquele mês. 


A comunidade, que fica no Campo Belo, está próxima do Aeroporto de Congonhas e das obras da linha 17-ouro do Metrô.

MP investiga se incêndios nas favelas de SP têm relação com interesse imobiliário...


O MP-SP (Ministério Público de São Paulo) investiga se existe relação entre os incêndios em favelas e a ação de grupos criminosos que representem interesses de especulação imobiliária. Entre os casos investigados está o incêndio que deixou 1.140 pessoas desabrigadas na favela do Piolho, no dia 3 de setembro. Em outro caso, o MP apura versão diferente da apontada pela polícia para incêndio na favela do Moinho ocorrido no dia 17 de setembro.

A Prefeitura informou que foram arrecadados R$ 3,2 bilhões para a operação urbana, de modo que R$ 2,9 bilhões advêm de leilão de Cepacs (Certificados de Potencial Adicional de Construção).

Segundo o promotor, "curiosamente", cerca de R$ 106 milhões (3,3% do arrecadado) foram gastos em obras de desapropriação e R$ 76 milhões em "taxa de administração" da SP Urbanismo (2,3%), que gerencia a operação, enquanto apenas R$ 73 milhões (2,2%) foram para as Habitações de Interesse Social (HISs).
"É muito pouco", criticou Freitas. "Notamos uma visível tendência de beneficiar a infraestrutura das proximidades de lançamentos imobiliários e uma arrecadação grande aos cofres do município, mas uma distribuição social muito pequena em obras e serviços que não são especificados quais."

Com isso, sobraram quase R$ 2,5 bilhões --78% do arrecadado-- ainda sem uso.

Sintonia Fina
- com Aposentado Invocado

Um comentário:

llManuh disse...

Depois acham difícil entender por que aumenta tanto o exército de moradores de rua em São Paulo?
Kassab é um pulha, um calhorda!Bem filhote de quem é!

Beijos meus