19 de nov de 2012

A omissão de Dilma diante da mídia

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG- Partido da Imprensa Golpista) não mostra!




Por Paulo Nogueira

“Costumo dizer que a imprensa brasileira comete excessos com frequência, mas prefiro isso ao silêncio da ditadura.”

A frase é da presidenta Dilma, e foi dita ao jornal espanhol El País, numa reportagem publicada hoje em seu site.


Não é uma frase brilhante esta, definitivamente. Equivale a você dizer, pela obviedade, que é contra o câncer. O silêncio da ditadura é universalmente rejeitado.

Mas por que você deve ficar entre dois extremos? A declaração de Dilma é um esforço diplomático, é certo, mas ela é essencialmente infeliz.

Se ela reconhece “os excessos da mídia”, o que ela pensa fazer para enfrentar o problema, em nome do interesse público? Ou será que ela pretende apenas constatar o caso?

O Diário se bate por uma imprensa livre, vibrante e independente – mas se existem “excessos”, como diz Dilma, eles devem ser encarados, para o bem da sociedade. Admiti-los e não fazer nada tem um nome: omissão. Ou, numa visão um pouco mais severa, covardia.

Considere o que está ocorrendo na Inglaterra. Lá, a opinião pública concluiu que a imprensa estava cometendo “excessos”. Um tabloide de Rupert Murdoch transformara em rotina jornalística o ato criminoso de invadir caixas postais de milhares de pessoas na busca de furos.

Isso não ficou na esfera da constatação. O governo inglês designou uma comissãoindependente – tanto dos políticos quanto dos donos das empresas jornalísticas — para discutir os limites da mídia. Um juiz chamado Brian Leveson conduz, brilhantemente, os trabalhos. Já escrevi algumas vezes sobre isso.

Leveson tem sabatinado, com firmeza elegante, todos os personagens relevantes para que se forme um consenso sobre o que a mídia pode fazer – e o que não pode. O primeiro-ministro David Cameron já foi interrogado. O poderoso Murdoch, aos 81 anos, também – duas vezes. Foi obrigado, em ambas as sessões, a responder a um implacável questionário, depois de jurar estar dizendo a verdade. Todas as sabatinas comandadas por Leveson podem ser vistas pessoalmente, desde que você consiga assento no tribunal em que são feitas no centro de Londres, ou pela televisão.

Ninguém ousou dizer que a “mídia crítica” estava sendo atacada, ou coisa parecida. Porque há o entendimento de que a mídia existe para servir a sociedade e não se servir dela. Portanto, não está acima dela, sociedade, e muito menos acima da lei.

Todo tipo de excesso deve ser exposto, discutido e combatido, incluídos os da mídia, naturalmente. É um vexame, para ficar num único exemplo, que a Petrobras tenha sido obrigada a processar por calúnia Paulo Francis na justiça americana, e não na brasileira, para que ele fosse instado a provar o que vinha dizendo – que seus diretores tinham conta secreta no exterior. A sorte da Petrobras é que Francis fez as calúnias em solo americano.

Os brasileiros que não têm a oportunidade que a Petrobras teve – ou por falta dedinheiro, ou porque as acusações são feitas no Brasil, cuja justiça é o que é – estão virtualmente indefesos. É bom para um lado, as corporações de mídia, e ruim para o outro lado, a sociedade.

O que o caso inglês mostra é que não basta constatar “excessos”. Há que lidar com eles, com transparência e, também, com coragem.

Apenas dizer que existem “excessos” e nada fazer, como tem sido o caso de Dilma, é uma forma de omissão em que o grande prejudicado é o interesse público.


Sintonia Fina

Nenhum comentário: