19 de ago de 2012

Racismo explícito no Zorra Total relembra humor segregacionista dos EUA

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG- Partido da Imprensa Golpista) não mostra!




BOICOTE, BOICOTE, BOICOTE!

VI ESTE QUADRO DE "HUMOR" HORRENDO ENQUANTO TOMAVA UM LANCHE NUMA PADARIA, FIQUEI ABSOLUTAMENTE CHOCADO, NÃO IMAGINAVA QUE NOS DIAS DE HOJE AINDA HÁ ESPAÇO (NA MÍDIA TELEVISIVA, NUMA EMISSORA VISTA POR MILHÕES DE BRASILEIROS) PARA O ESCANCARAMENTO DO RACISMO DE FORMA TÃO EXPLÍCITA. ZORRA TOTAL SEMPRE FOI UM PROGRAMA ABJETO, COM UM TIPO DE HUMOR ALA ITÁLIA FASCISTA. NO ENTANTO, RACISMO É CRIME PREVISTO EM LEI, O MINISTÉRIO PÚBLICO TEM QUE INTERVIR JÁ. OUTRA MEDIDA É BOICOTAR E REDE GLOBO DE UMA VEZ POR TODAS, ESTA CORPORAÇÃO É A PRINCIPAL VEICULADORA E DEFENSORA DA BARBÁRIE E DE TUDO QUE EXISTE DE MAIS NEFASTO NESSE PAÍS. LEIAM O EXCELENTE TEXTO DE JORGE DA SILVA ABAIXO. 

NOS ESTADOS UNIDOS, O USO DE ATORES BRANCOS – OU MULATOS – COM A CARA PINTADA DE PRETO, OU “BLACKFACED”, EM PAPEIS QUE RIDICULARIZAVAM OS NEGROS FOI PRÁTICA COMUM NOS TEMPOS DA SEGREGAÇÃO RACIAL

adelaide zorra total racismoJorge da Silva, em seu sítio
Um quadro do programa Zorra total, da Rede Globo, tem provocado indignação no público sensível aos problemas do racismo e da discriminação racial no Brasil. Tem como protagonista uma mulher chamada Adelaide – interpretada pelo ator – em que se concentram todos os estereótipos negativos atribuídos às mulheres negras: é feia, desdentada, ignorante, e costuma fazer referências pejorativas, por exemplo, ao cabelo dos negros. Um combustível perfeito para o bullying que aflige as crianças negras, especialmente as meninas, na escola e nos círculos de convivência, contribuindo para manter baixa a autoestima de um segmento da população quotidianamente adestrado a se sentir e comportar como inferior.
Infelizmente, o humor baseado em estereótipos raciais tem uma longa tradição em nosso país. Não é preciso muito esforço para nos lembrarmos de nomes como Grande Otelo (a despeito de seu reconhecido talento), Gasolina, Muçum, Tião Macalé, que sempre representaram personagens associados ao alcoolismo, à preguiça, à falta de cultura e de inteligência. Sem contar os brancos pintados de preto, até hoje presentes nos programas humorísticos da TV.
Nos Estados Unidos, o uso de atores brancos – ou mulatos – com a cara pintada de preto, ou “blackfaced”, em papeis que ridicularizavam os negros foi prática comum nos tempos da segregação racial. Personagens como Aunt Jemima, Jim Crow (que poderíamos traduzir como Zé Urubu), Zip Coon, Buck, Jezebel, Pickaninny, Uncle Tom, Amos ‘n’ Andy e outros, que refletiam os mais grosseiros estereótipos a respeito dos afro-americanos e de sua cultura, eram, não obstante – ou talvez por isso mesmo -, altamente populares entre as plateias brancas. Na década de 1960, com o Movimento de Direitos Civis, incluindo boicotes organizados por entidades como a NAACP, o uso desses personagens se reduziu enormemente, embora continue presente, de forma bastante atenuada, em algumas produções mais atuais.
Em Bamboozled (2000), que no Brasil ganhou o título de A Hora do Show, Spike Lee faz uma crítica à tradição dos minstrel shows e do vaudeville, gêneros baseados nessa estereotipia. Aos interessados, vale a pena dar uma olhada no site black-face.com.

Sintonia Fina
- com Blog do Capacete

2 comentários:

llManuh disse...

Se te passou despercebido, Rodrigo Sant'Anna é o ator que interpreta Adelaide, um "moreninho" que se pinta de preto para o personagem.. Coricença, esse personagem sempre me causou desconforto, mas não havia parado para pensar no assunto, já que odeio programas humorísticos, de modo geral.


Beijos meus

Anônimo disse...

Mais racistas são os negros. Eu estava num ônibus coletivo sexta-feira e uma mulher branca pediu o motorista que era negro pra parar fora do ponto e ele parou para ela subir.

Logo na frente uma mulher negra fez a mesma coisa e ele com total grosseria e desprezo não quis parar para a mulher negra subir.

Fiquei xocada.