22 de ago de 2012

Isso que chamam "jornalismo"

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG- Partido da Imprensa Golpista) não mostra!



Assistam: o jornalismo da TV Globo e da mídia nacional
As lutas de classes não se detêm às portas dos “jornais”.
Cada dia mais medíocre, mais corrupto e mais servil é isso o que chamam “jornalismo” nas empresas mercantilistas de “notícias” ou “informação”, constitui hoje uma das máquinas de guerra ideológica capitalistas mais degenerada.
Sua degeneração é seu fracasso e ao mesmo tempo sua delação.
Sua própria definição já está distorcida, pois quando deveria servir para orientar a sociedade, na realidade, não passa de um negócio para desorientar.
Não é “jornalismo” a mercantilização da notícia. Ainda que a idéia perversa se tenha instalado de que somente o que vende jornal é a informação e com isto se criou cátedras, pós-graduação e especialidades... Ainda que reine na cabeça de muitos a idéia de que “jornalismo” é a arte mercenária de vender a caneta pelo melhor preço... ainda que prevaleça o critério devocional de quem um jornalista é um comerciante de confiabilidade... E ainda que se martele com a falácia de que o jornalismo é a arte demagógica da “objetividade” burguesa...
O certo é que o que chamam e praticam de “jornalismo” nas empresas, nada mais é, que uma mercadoria submetida às piores leis do capitalismo. E disto sabem muito bem, aqueles que nelas trabalham.
Os fatos que geram a vida social, econômica, política, artística, cultural... A partir de seu motor histórico que é a luta de classes, não podem ser privatizados por nenhuma manobra comercial ainda que esta seja capaz de convertê-los, segundo seus interesses, em “informação” ou “notícia”. Os fatos cotidianos (ocorram quando ocorram) produtos das relações sociais, até hoje divididas em classes, além de requerer registros e análises científicas, exigem capacidade de um relato esclarecedor, criativo e emancipador, para contribuir para elevar o nível da consciência coletiva inclusive na resolução de problemas individuais.
A tarefa de produzir análise e informação jornalística além de ser uma práxis ética cotidiana, deve ser um trabalho organizador para a transformação do mundo.
Assim o exercitou o próprio John Reed (biografia)
Filme sobre John Reed 'Reds' (dublado)
Nas empresas que fizeram da informação uma mercadoria caprichosa e desleal com a verdade, o trabalho dos “jornalistas” foi deformado até a ignomínia da escravidão do pensamento e a exploração de pessoas obrigadas a trair a consciência (individual e coletiva) sobre a realidade.
Vivemos diariamente um desfalque informativo contra todo o senso comum e se humilha a inteligência dos trabalhadores da informação os submetendo aos princípios e fins empresariais a cada dia mais medíocres, corruptos e mafiosos.
A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) conhece bem esta história.
Nas escolas não são poucas as tendências empenhadas em “formar” mão de obra barata, gentil e acrítica disposta a anular-se, com o disfarce academicista, às condições trabalhistas mais aberrantes em troca de ilusões da fama burguesa, prestígio de mercadores e claro, rentabilidade de cúmplices muito criativos ao ponto de inviabilizar as verdades mais duras, criminalizar àqueles que lutam por emancipar-se e assegurar as vendas dos “informativos”.
Títulos universitários de “jornalista” amasiados com o capitalismo e seus ódios, assim sendo necessário mentir, caluniar ou matar. Para as teles, web, rádios... aos impressos.
Dignificar o trabalho do “jornalista” é uma meta social enorme que não se resolve somente de maneira “gremista”, nem somente com “educação de excelência”, nem somente com “boa vontade”. Trata-se de uma profissão, um ofício e uma tarefa políticas... afundam no pântano da guerra ideológica e na guerra midiática burguesa.
Dignificar a definição e a função de jornalista compreende fatores muito diversos que partem da base concreta de lutar contra o trabalho alienado e contra as condições de insalubridade ideológica extrema em que, sob o capitalismo, se desenvolve.
Dignificar o trabalho jornalístico implica empreender, diariamente, uma revolução de consciência e ação que devolva à produção informativa sua alma socialista e seu poder como ferramenta emancipadora de consciências... implica portanto devolver ao “jornalismo” suas bússolas e suas responsabilidades no caminho da revolução.
Isso implica exigências programáticas, organizativas e disciplinares cuja base é a luta de classes e cuja práxisdeve andar ao lado das lutas emancipadoras da classe trabalhadora.
Já basta de que qualquer palhaço capaz de publicar, sob qualquer método e meio, suas canalhices se faça chamar “jornalista” ao custo de degenerar a verdade que é de todos.
Freá-los em seco, implica desenvolvimento científico e político para conquistar um poder profissional e militante capaz de colocar-se ao serviço da classe que emancipará a humanidade. Esse é seu melhor lugar. Isso implica impulsionar escolas novas, estilos novos, sintaxe, comunicação e consciência revolucionárias. Isso implica impulsionar gerações novas de trabalhadores do jornalismo emancipados da lógica do mercado informativo. Nada menos.
Agora que estamos enojados pela desfaçatez e pela impunidade com que exibem suas canalhices de forma onipresente os amos e seus servos “jornalísticos”, temos que nos fortalecer para combatê-los.
Agora que a náusea nos sacode e a irracionalidade do mercado informativo se torna comando golpista e magnicida, no mundo inteiro, é preciso nos organizar de maneira democrática, plural e combativa.
Agora que se desdobram as acometidas mais ferozes das máfias comerciais que vendem “jornais” contra a verdade dos povos em luta e contra suas conquistas mais importantes... nós requeremos a unidade e a ação organizada e a partir da base como causa ética suprema.
Agora que se aliam as máfias midiáticas e formam seu exército de “jornalistas” para nos bombardear com mísseis de injúrias e mentiras...nós devemos fazer do “jornalismo” uma frente rigorosa em seus princípios e adaptável em sua organização para somarmos abertamente a todas as forças da comunicação emancipadora onde se propicie colaboração revolucionária irrestrita. Ao menos.
Assim, isso que chamam “jornalismo” deixará de ser, rapidamente, reduto de farsantes mercenários doentes consuetudinários (fundados no uso, no costume, na prática) da mentira para converterem-se, de uma vez por todas, em ferramenta criativa da verdade a serviço da Revolução.
E já há muitos trabalhadores que avançam nesta rota.
Diariamente.
Dr. Fernando Buen Abad Domínguez, Rebelión/Universidad de la Filosofía/Escuela de Cuadros para la Comunicación Emancipadora


Sintonia Fina
- com Com Texto Livre

Nenhum comentário: