21 de ago de 2012

Colunista da Folha chama caso Assange de “grotesca novela

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG- Partido da Imprensa Golpista) não mostra!


PARA JOÃO PEREIRA COUTINHO, O FUNDADOR DO WIKILEAKS NÃO PASSA DE UM "FORAGIDO VULGAR" E "
MANIPULADOR DE MASSAS
TALENTOSO"

Para o colunista da Folha de S.Paulo João Pereira Coutinho, o fundador do WikiLeaks Julian Assange não passa de uma farsa. Tanto ele quanto seu discurso sobre liberdade da informação, considerado uma ofensa para qualquer jornalista sério, segundo Coutinho. Leia abaixo seu artigo na íntegra:
Tomates e ovos podres - JOÃO PEREIRA COUTINHO
O mundo midiático, na sua estupidez, continua a olhar para Assange como um herói da "transparência"

Julian Assange aparece na janela da embaixada do Equador, em Londres. Prepara-se para falar às massas. Não consegue. Uma quantidade generosa de tomates e ovos podres atinge o seu rosto adolescente e pretensamente rebelde. A multidão aplaude. Os jornalistas também. Acabou o circo.
Envergonhado com a humilhação, Assange regressa para dentro da embaixada. Depois de um duche (frio) e de um café (forte), o foragido australiano decide ser homem pela primeira vez na vida e entrega-se às autoridades inglesas. Segue-se a extradição para a Suécia.
"The end."
Foi mais ou menos por essa altura que eu acordei. Assange ainda falava. Imbecilidades sobre imbecilidades. Infelizmente, ninguém jogou tomates ou ovos podres na cara dele. Deprimi.
Na janela da mesma embaixada, o fundador da Wikileaks vestia o traje de grande mártir da liberdade de expressão -um insulto para qualquer jornalista sério- e pedia aos Estados Unidos para pararem a "caça às bruxas" contra o Wikileaks.
Na cabeça alucinada e apedeuta de Assange, o comportamento de Barack Obama só é comparável à perseguição anticomunista movida pelo Estado americano a alguns dos seus cidadãos em finais da década de 1940.
A comparação deveria ser repulsiva para qualquer criatura com erudição e neurônios. As perseguições anticomunistas do senador Joseph McCarthy foram uma deriva securitária lamentável contra supostos inimigos ideológicos que Washington suspeitava estarem infiltrados no serviço público, no ensino ou na indústria do espetáculo.
As ações de Julian Assange são diferentes: goste-se ou desgoste-se, houve uma revelação objetiva de documentos secretos do governo americano. As vítimas do macartismo eram inocentes. Assange não é inocente.
Mas esse nem sequer é o ponto. Na janela da embaixada do Equador, em Londres, esteve um homem procurado pela Justiça sueca por alegadas agressões sexuais contra mulheres.
E a Suécia, convém lembrar aos amnésicos, é uma democracia europeia civilizada, onde a investigação judicial é séria, os direitos humanos são respeitados -e as garantias de um julgamento justo também. A Suécia não pretende deter e julgar Assange por seus pecadilhos com a Wikileaks. Deseja detê-lo e julgá-lo pelos seus alegados crimes contra duas mulheres em 2010.
Curiosamente, crimes desses costumavam inflamar as feministas de carteirinha. Não mais. Será que o antiamericanismo de Assange perdoa tudo?
Em caso afirmativo, um conselho ao leitor: violar uma mulher pode não ser grave desde que você seja um inimigo declarado da política americana.
Claro que, a pairar sobre esta grotesca novela, existe um equívoco e uma farsa.
O equívoco, alimentado pelo próprio Assange, resume-se em poucas linhas: se houver extradição para a Suécia, a Suécia poderá extraditar Assange para os Estados Unidos onde ele seria julgado por espionagem (um crime punível com a morte).
A hipótese não passa de um delírio teórico e qualquer aluno principiante de direito internacional sabe por que: o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem não permite processos de extradição para países onde existe a séria possibilidade de aplicação da pena capital. Não é a Justiça americana que Assange teme. É apenas a Justiça sueca.
Finalmente, a farsa. E dois nomes sobre ela: Rafael Correa. Honestamente, serei mesmo a única pessoa a sentir genuína náusea quando o presidente do Equador surge em cena como um grande defensor da liberdade de expressão?
Por motivos puramente antiamericanos, o Equador resolveu conceder asilo a Julian Assange. Mas, se Assange fosse verdadeiramente um defensor da liberdade de expressão, ele recusaria os favores de um país onde essa liberdade é artigo raro.
Será preciso lembrar aos colegas de ofício os constantes atropelos que o governo de Quito comete sobre jornalistas críticos do presidente?
O mundo midiático, na sua estupidez bovina, continua a olhar para Julian Assange como um herói da "transparência" e da luta contra o "imperialismo".
Seria preferível optar por tomates e ovos podres. Assange não passa de um foragido vulgar e de um manipulador de massas talentoso.

Sintonia Fina

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom o artigo! Obrigado por compartilhar! É triste ver ainda nos dias de hoje que as pessoas estão sendo vítimas de farsantes e pior, atribuindo a eles o papel de heróis. Me lembrou o Che, que ainda hoje tem sua imagem estampada em camisetas... o cara foi um tremendo de um assassino. Matava camponeses a sangue frio caso os mesmos não colaborassem com a sua "revolução". Fala sério.

Anônimo disse...

ASSANGE O WIKILEAKS MUNDIAL, LIBERDADE DA INFORMAÇÃO.
Chega de ocultação e mentira, chega de tanto enganar.
Fora com manipulação traíra, basta de tanto enganar.
Por cidadania Universal, todo mundo saber a situação.
Assange o Wikileaks Mundial, Liberdade da Informação.

Quem puder venha explicar, que seja sem tanto mentir.
O tempo não cabe mais enganar, fora qualquer fingir.
Toda enganação foi anormal, merecem a desmoralização.
Assange o Wikileaks Mundial, Liberdade da Informação.

Ele fez o que o mundo quer, de toda a situação saber
Não é foragido qualquer, toda enganação fez romper.
Agora a dominação imperial, quer coloca-lo na prisão.
Assange o Wikileaks Mundial, Liberdade da Informação.

Toda informação Ocultavam, foram Vis no relacionar.
Mentiam e tanto enganavam, a podre atitude de enganar.
Procedimento covarde do mal, vergonha de imensidão.
Assange o Wikileaks Mundial, Liberdade da Informação.

Ao mundo toda a verdade, tem de saber rodo acontecer.
A Mentira gera a indignidade, a verdade é nosso dever.
Verdade é Luz Fundamental, e a mentira é a danação.
Assange o Wikileaks Mundial, Liberdade da Informação.

Pra Notícia toda a claridade, a verdade não pode ocultar.
Mentira é a indignidade, Mentiroso não pode governar.
Mentira é base para o mal, Verdade é força da união.
Assange o Wikileaks Mundial, Liberdade da Informação.

A verdade faz o Mundo Unir, Vitória da Humanidade.
Quem vence é o Porvir, é Castro Alves e fraternidade.
Momento fundamental, para a mentira desmoralização.
Assange o Wikileaks Mundial, Liberdade da Informação.

Mundo e Equador a proteger, e todos tem de respeitar.
A Verdade tem de vencer, Mentira tem de envergonhar.
A Verdade vencendo é ideal, é o mundo em comunhão.
Assange o Wikileaks Mundial, Liberdade da Informação.

Azuir Filho e Turmas de Amigos: do Social da Unicamp, Campinas, SP,de Rocha Miranda, Rio de Janeiro, RJ e de Mosqueiro, Belém do Pará