17 de abr de 2012

JN plagiou a Veja para criar a CPI do Dirceu

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!

Há um ano na Veja, a "manchete" de ontem do Jornal Nacional. A mesma história, o mesmo objetivo: usar José Dirceu para atingir o alvo: Lula

Fernando Brito:

A água velha das fontes contaminadas

A “reportagem” de ontem do Jornal Nacional e manchete em vários jornais, curiosamente, já tinha sido matéria publicada há um ano.

Aliás, pela Veja.

Inclusive, com a transcrição literal do áudio levado ao ar pelo JN, onde o empresário Fernando Cavendish fala, jocosamente, sobre a corrupção dos políticos – aliás, grande novidade… – pelas empreiteiras.

O Jornal Nacional usa, porém, como fonte o blog do jornalista Mino Pedrosa, ex-assessor de Carlinhos Cachoeira.

Pedrosa foi acusado, na CPI da Assembleia do Rio de Janeiro (veja o documento, página 238) sobre o caso Waldomiro Diniz, de praticar extorsão contra o ex-diretor de loterias, em nome de Carlinhos Cachoeira.

Mais um fato: a fita é descrita como tendo sido gravada em uma reunião com diretores da empresa.

Portanto, não faz parte dos grampos telefônicos legais produzidos na Operação Monte Carlo.

Quem e com que fim se fez esta gravação, então?

A narrativa sobre as cisrcusntâncias da gravação sugere que possa ter sido Carlos Pacheco, o homem de Cachoeira nas gravações da PF.

Para que, para chantagear o empresário, como parece evidente? Quais são os crimes que ele tem escondidos?

Cavendish, certamente, é um que tem muitas explicações a dar na CPI, mas não as dará se persistirem os movimentos para criar empecilhos à instalação da investigação.

Porque foi esta a finalidade de se buscar água velha em fontes tão contaminadas.

A Globo não é de achar algo num blog e levar para o JN.

O objetivo, claro, foi o de dizer: devagar com a CPI.

Usando, como se diz no jargão jornalístico, um “gancho” para envolver o ex-ministro José Dirceu na história.

Porque Dirceu, assumiu de público, há um ano atrás, que prestou consultoria para a Delta, mum trabalho de quatro meses, pelo qual foram cobrados R$ 20 mil.

Era preciso, fosse lá como fosse, empurrar Dirceu – e portanto a Lula – para este escândalo novo.

Era, esta água servida, a forma de colocar José Dirceu no palanque eletrônico da Globo, e desviar as atenções para o período Lula.

É isso o que se busca.

Esta é uma história exibida com sinais contrários.

Denunciam-se pressões sobre o STF para pressionar o STF.

Fala-se em corrupção para encobrir corruptos.

Diz-se que a esquerda tem medo da CPI para ocultar o medo de que se exponha à luz os esquemas espúrios pelos quais a direita fabrica escândalos.
A resposta a isso só pode ser uma: abra-se tudo, investigue-se tudo, sem seletividade ou dirigismo.

Quem estiver devendo, que pague, seja oposição, empresário ou governista.

Mas não vamos deixar que nos vendam peixe velho como novo.

Até porque fede.




Sintonia Fina- com Conversa Afiada

Nenhum comentário: