3 de abr de 2012

Corrupção policial engavetada no governo Alckmin derruba comandante da PM

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!


O coronel Álvaro Batista Camilo, que estava no comando da PM (Polícia Militar) no Estado de São Paulo entregou o cargo ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), na segunda-feira.

Não foi informado as reais razões para a demissão, mas a queda se deu imediatamente após o Ministério Público Estadual de São Paulo abrir investigações para apurar crimes do governo tucano e da banda podre da polícia relatados pela inteligência da Polícia Civil.

O coronel Camilo é um dos que será chamado a prestar esclarecimentos nestas investigações.

Na sexta-feira, o telejornal da TV Bandeirantes informou que os promotores pretendem acionar, inclusive, a Procuradoria Geral da República para investigar o governador Geraldo Alckmin, pois viram indícios de que ele teria sido conivente com o acobertamento e engavetamento das investigações sobre a corrupção policial.

O coronel Camilo foi guinado ao posto pelo ex-governador José Serra (PSDB/SP) em abril de 2009, e era visto por muitos policiais que atuam nas ruas como um "maçaneta", ou seja, um oficial mais fiel à política palaciana do que às necessidades dos policiais que enfrentam o crime e da população nas ruas. Por isso é difícil imaginar que tenha decidido qualquer coisa que não fosse por ordens vindas de cima.

Seu comando foi marcado por repressão a movimentos sociais e população mais pobre. Ocorreu o extermínio do bairro do Pinheirinho, a controversa operação na cracolândia que espalhou "nóias" por toda a cidade, o polêmico policiamento na USP (Universidade de São Paulo), inclusive com um PM agredindo um estudante negro, a repressão policial à greve dos professores em 2010, com a polêmica infiltração de agentes à paisana da P2 (o serviço secreto da PM). 

Porém é preciso lembrar que nada disso foi feito por ele sozinho, e sim atendendo ordens dos governadores Serra e depois Alckmin.

Seu afastamento mais parece uma tentativa de evitar que o escândalo do suposto acobertamento da corrupção policial chegue ao Secretário de Segurança e ao governador Alckmin.

Sintonia Fina
- com Amigos do Lula

Nenhum comentário: