6 de abr de 2012

Bancos privados acham que brasileiro é otário

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!

Banqueiro ladrão?

A presidenta Dilma resolveu enquadrar os bancos e atacar os juros escorchantes cobrados dos clientes, como medida para aquecer o mercado interno, pois menos juros, mais dinheiro no orçamento familiar para poder consumir melhor, reformar a casa, comprar algo que faltava, ou substituir o que está funcionando mal, etc. 

Não é preciso dizer que isso faz a roda da economia girar e gerar empregos.

Os bancos estatais BNB, Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal já anunciaram redução de até 75% sobre os juros cobrados dos clientes - pessoas físicas e empresas.

O BB reduziu os juros do crédito rotativo do cartão de crédito de 12,25% para 3% ao mês. No crédito para financiamento de veículos, os juros caíram de 1,70% para 0,99% ao mês (nos bancos privados essa taxa varia de 1,73% a 1,85% ao mês). 

Nas linhas de crédito para consumo em lojas deve cair para menos de 2%.

Os bancos públicos ainda vão estimular a troca de financiamento mais caros antigos, pelos novos com juros menores. Estas medidas devem levar muita gente a trocar de banco. Já pensou pagar uma prestação menor sobre um financiamento já existente?

Os bancos privados estão catimbando diante da ofensiva, e a FEBRABAN quer fazer lobby no Planalto na semana que vem.

No jornalão "O Globo", defensor dos bancos com o blá-blá-blá de que o valor das ações caem se os juros caírem, saiu essa pérola:

"Eles [bancos privados] acreditam ainda que, mesmo com os cortes significativos nas taxas cobradas pelos bancos públicos, não vão perder clientes, porque há uma resistência natural em trocar de banco."

Pode até ter algumas pessoas acomodadas e outras com outros motivos que justifiquem não mudar de banco, mas diante dessa forma dos bancos privados tratarem os brasileiros, mudar para um banco público virou um ato de AÇÃO POLÍTICA, pela melhor distribuição de renda, de atitude pela prosperidade da nação e até de patriotismo, mesmo para quem não esteja utilizando financiamento.

Se os mais esclarecidos mudarem para os bancos públicos, mesmo sem precisar, ajudarão os mais vulneráveis ou receosos, pois ao sentir a perda de clientes, os bancos privados acompanharão a queda de juros.


Sintonia Fina
-com Amigos do Lula

Nenhum comentário: