3 de mar de 2012

Dilma, mande prender os cabeças. Como Vargas deveria ter feito

Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!


PRESIDENTA, NÃO PERCA A OPORTUNIDADE QUE SEUS ELEITORES COLOCARAM EM SUAS MÃOS.A DIREITA DE MÃOS DADAS COM OS ANTIGOS DITADORES DESSE PAÍS, SÓ AGUARDAM UM MOTIVO PARA TENTAR DERRUBAR ESSE GOVERNO DO POVO.(SF)


O Sintonia fina reproduz texto de PHA no Conversa Afiada.


Mande prender, presidente !


Na madrugada de 24 de agosto de 1954, o Ministério de Vargas se reuniu no Palácio do Catete para enfrentar a crise que Carlos Lacerda tinha engendrado com o atentato ao Major Vaz.

O jovem Ministro da Justiça, Tancredo Neves, sugeriu que o Ministro da Guerra, Zenóbio da Costa, formasse uma patrulha de confiança, com homens da Vila Militar, e prendesse os cabeças do Golpe.

Treze generais haviam assinado um Manifesto que pedia a renúncia de Vargas.

Só um deles comandava tropa.

(Leia o imprescindível “A Era Vargas”, de Jose Augusto Ribeiro, Casa Jorge, Volume 3, pág. 206, no capitulo “Alzira (filha de Vargas) contesta Xenóbio”.)

Zenóbio, o Ministro da Guerra, que conspirava para continuar Ministro do governo seguinte, disse a Tancredo: se fizermos isso, seremos esmagados.

Tancredo respondeu:

– Poucos homens têm na vida a oportunidade de morrer por uma boa causa, general. Por que não aproveitamos esta ?

(O ansioso blogueiro se vale de conversa com Mauro Santayana, autor de importante artigo sobre a Anistia e Tancredo.)

Essas reflexões surgiram com a notícia de O Globo (que ajudou a dar um tiro no peito de Vargas), na pág. 16 deste sábado:

“Cresce adesão de militares a manifesto”

“Dilma agora ameaça punir os 325 oficiais que já assinaram o ‘Alerta à Nação’, entre eles 44 generais da reserva.

Os signatários são TODOS da reserva, não aceitam a legitimidade do Ministro da Defesa (e grande chanceler) Celso Amorim, e se insubordinam com a “Comissão da Verdade”.

Como fez, sempre, Roberto Marinho volta a bater na porta dos quartéis para assegurar a sobrevivência e prosperidade de seus negócios.

Em tempo: hoje, na Folha (*), na pág. 2, no espaço do Clovis Rossi, há uma súmula da atual “racionalidade” das vivandeiras de quartel:

(…) “Indo um pouco mais longe, acho que daria até para argumentar que os oficiais da reserva remunerada, que podem eventualmente ser chamados para o serviço ativo, também estejam submetidos ao regime disciplinar e hierárquico dos militares.


Parece-me um exagero, porém, que as leis e regulamentos castrenses permitam enquadrar e punir por desrespeito à hierarquia os oficiais reformados, que são, para todos os efeitos, cidadãos aposentados.


Se essas regras são constitucionais, temos uma situação em que as obrigações diferenciadas exigidas dos militares se tornam perpétuas, o que se assemelha mais a disposições da ordem escravocrata ( sic ) do que aos contratos típicos do mundo livre.”(…)


Em tempo2:
como sabe, o dono da Folha (*)  (ele, como Roberto Marinho, ainda não “nos falta”), o “seu” Frias combateu na Guerra da Secessão de 1932 e cedeu os carros de reportagem do jornal aos torturadores do regime militar.



Sintonia Fina

Nenhum comentário: