23 de dez de 2011

Por que esse linchamento da Calmon ?


O Sintonia reproduz o excelente texto de PHA no Conversa Afiada.


Num artigo magistral, Joaquim Falcão denunciou a “estratégia de guerrilha processual permanente contra o Conselho Nacional de Justiça”.

Foi na Folha (*) – Aqui para ler- ao analisar o voto estarrecedor do Ministro Mello, o Marco Aurélio do Caciola, que fechou o CNJ até fevereiro.

“Guerrilha processual”.

Este ansioso blogueiro conhece bem essa ameaça.

Agora, na pág. 10 do Globo, Eliana Calmon “se diz vitima de tentativa de linchamento moral”.

Quando o ex-Supremo Presidente Supremo do Supremo, Gilmar Dantas (**) ajudou a construir o “linchamento moral” do Juiz Fausto De Sanctis, com a providencial ajuda de magistrados da Corte de São Paulo, ninguém se assustou.

Natural.

Afinal, o ex-Supremo era (e ainda pensa que é ) Supremo.

Quando o ex-diretor-geral da Policia Federal, que gosta de ilhas e do norte da África, Luiz Fernando Correa (aquele que ainda não achou o áudio do grampo), montou uma “guerrilha processual”contra o inclito delegado Protógenes Queioz, o PiG (***) aplaudiu de pé.

Afinal, o PiG conseguiu transformar o agente da Lei, que prendeu um “banqueiro bandido” (Protógenes não se refere, aqui, a Caciola), em criminoso.

De Sanctis e Protógenes, que mandaram Daniel Dantas para a cadeia sofreram o que Eliana Calmon sofre agora.

O pelotão de fuzilamento montado contra Calmon transcende a batalha dentro do Judiciário.

A opacidade do Judiciário é outra questão.

O cerco à Calmon faz parte da muralha que separa Soweto do resto da África do Sul.

A elite branca ocupa a África do Sul.

E os que tentam derrubar a muralha são confinados na Soweto.

Com a ajuda da tevê-monopólio – o Clarín, digo, a Globo – e seus subalternos agentes, como a Folha (*).

Quem tenta romper a muralha não sobrevive.

Esporadicamente, um fenômeno como as vendas do “Pirataria Tucana” – que ainda está por compreender-se – explode na cara da elite branca, de olhos azuis.

Esporadicamente.

Calmon, De Sanctis, Protógenes – são os exemplos mais eloquentes desse linchamento.

Quando o CNJ investigava os Juizes do Aamapá, tudo bem.

Desceu em São Paulo, “o centro do reacionarismo brasileiro, onde reside a elite mais retrógrada”, como diz Mino Carta – foi esse Deus nos acuda.

Em São Paulo, onde Daniel Dantas conseguiu transformar a ação derivada da Operação Chacal num ser semi-morto, na primeira instância.

Ministra Calmon, não entre em São Paulo sem avisar.

Por exemplo, telefone antes para o Marcio Thomaz Bastos.

Ele será capaz de lhe dar o mapa do poder em São Paulo – a começar pelo mapa do poder no Juiciário de São Paulo.

Ele é das Arábias, Ministra.

E do Supremo !

A senhora saiu lá da Bahia, desavisadamente, e tentou ler o Imposto de Renda dos juízes paulistas.

Onde já se viu isso, Ministro.

Isso é muito mais complicado do que uma questão do Judiciário.

A senhora entrou nas vísceras dos “Donos do Poder”.

Aproveite as férias, Ministra e releia o Raymundo Faoro.

Não há nada de novo nas estrelas, Mercutio.



Sintonia Fina




"O jornalismo é, antes de tudo e sobretudo, a prática diária da inteligência e o exercício cotidiano do caráter"
(Cláudio Abramo)


Nenhum comentário: