6 de mai de 2013

PELO FIM DA MISÉRIA, DILMA FIXA SUA MARCA PARA 2014



Presidente mobiliza ministros para finalizar programa de erradicação ampla, geral e irrestrita da miséria no Brasil; nas contas do governo, inclusão de mais 700 mil famílias nos programas sociais existentes eliminará pobreza extrema; transferência de renda elogiada em todo o mundo é atacada internamente pela oposição; mas presidente não se abala com críticas e avança para consolidar imagem de 'mãe Dilma'.

A grande vitrine eleitoral da presidente Dilma Rousseff para a tentativa de reeleição em 2014 deve ser mesmo a erradicação da miséria. Pelo menos é o que indica a mobilização bolada pela presidente para dar resultado até o início do próximo anos. Ministérios e órgãos federais foram mobilizados para localizar famílias em situação de miséria que não são beneficiadas pelos programas sociais ou integram o cadastro único do governo. Nas contas do Planalto, faltariam apenas 700 mil famílias para fechar a conta.
Aproximadamente 22,2 milhões de pessoas deixaram a extrema pobreza desde o início do governo Dilma. Para completar o número, a chamada "busca ativa" inclui prefeituras e governos estaduais, reunidos sob a expectativa de que o plano seja concluído até o início do ano que vem. Essa busca, coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento, existe desde o lançamento do Brasil Sem Miséria, mas ganhou novo formato no fim do ano passado. Os esforços acabaram prejudicados pelas eleições municipais.
"Na verdade, estamos tentando fechar as arestas para que a coisa aconteça: para que aconteça o cadastramento, para que a família entre no Bolsa Família", contou ao jornal Valor Econômico a diretora do Departamento do Cadastro Único da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania da Pasta, Cláudia Baddini. A estratégia da busca ativa já permitiu, desde o início do Brasil Sem Miséria, em 2011, cadastrar e incluir no Bolsa Família cerca de 800 mil famílias extremamente pobres.
Neste ano, o trabalho de busca se concentra em Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Amapá e região metropolitana do Rio de Janeiro. O governo espera que a busca sob responsabilidade dos municípios ganhe novo fôlego a partir de deste mês, quando as prefeituras que sofreram mudanças de gestões nas últimas eleições já estejam aptas a aderir a esse esforço. "Eleição municipal é um 'strike', porque muda muita gente. Você tem que dar um tempo, e é esse tempo que a gente está dando, para as prefeituras novas conseguirem entender e para a gente conseguir chegar já com tudo funcionando", diz Cláudia Baddini.
com 247

Nenhum comentário: