30 de nov de 2011

Maurício Lopes Lima comemora impunidade de seus crimes...

NÃO PODEMOS E NEM VAMOS ESQUECER DESSE 
CANALHA

O covarde quando jovem; hoje vive com dinheiro público no Guarujá
 
Acusado por Dilma, ex-agente comemora decisão

DE SÃO PAULO

"Está começando a se fazer justiça." Foi assim que o tenente-coronel reformado Maurício Lopes Lima, 76, comemorou ontem a decisão do TRF que o livra de responder a processo por tortura.

Ele foi apontado como responsável por maus-tratos a presos políticos em depoimento da presidente Dilma Rousseff à Justiça Militar em 1970, ano em que ela foi presa por militar contra o regime.


"A acusação é inverídica. Mas jornalista só entende a palavra do terrorista", disse Lima por telefone, de seu apartamento próximo à praia no Guarujá (litoral de SP).


"O terrorista falou, é verdade. A direita falou, é mentira. Quem faz isso é o Partido Comunista", afirmou.


Mantendo a pregação dos tempos da Guerra Fria, o militar negou as acusações de torturar na Oban (Operação Bandeirante) e sustentou que Dilma e os demais presos que o responsabilizaram por maus-tratos teriam mentido.


"Eles combinavam os depoimentos na cadeia. A Dilma exerceu o direito de não criar provas contra si para se livrar do processo", disse.


"Esse pessoal estava contra o Brasil. Quando você fala em comunista, não pode admitir que seja brasileiro."


O tenente-coronel criticou a criação da Comissão da Verdade, que foi sancionada por Dilma no dia 18.


"Ela vai colocar sete comunistas ilibados lá?", perguntou. "Vai ser uma lenga-lenga. Revanchismo total."


Apesar dos protestos, ele disse que Dilma tem mantido posição equilibrada no debate sobre os crimes da ditadura. Mas aproveitou para criticar o ex-presidente Lula, cujo governo idealizou a Comissão da Verdade.


"Ela vem se portando de maneira digna, muito melhor do que o Lula. Não está deixando a coisa sair pelos extremos", afirmou.


O militar também atacou a Procuradoria. "O Ministério Público, como é ignorante em assuntos de verdade, foi procurar as declarações [dos ex-presos] na Justiça Militar", disse. "Qual é a ideia de abrir uma ação 40 anos depois?"


Em dezembro passado, Lima relatou à Folha ter integrado a ação que levou à morte dos guerrilheiros Antônio dos Três Reis de Oliveira e Alceri Maria Gomes da Silva, metralhados em maio de 1970 no Tatuapé (zona leste de SP).


Foi a primeira vez que um militar admitiu participação no episódio. Os guerrilheiros são considerados desaparecidos até hoje.


Ontem, o tenente-coronel reformado disse não ter procurado os ex-colegas da Oban após saber da decisão do TRF. "Por que eu ia procurá-los agora? Só se fizerem uma festa", disse, aos risos.



Sintonia Fina - Esquerdopata

Um comentário:

Anônimo disse...

Acho tudo isso uma perda de tempo.As pessoas não entende que a Justiça não tem finalidade de vingar ninguém.Qq advogado ou pessoa ligada a área do direito, sabe que a pena tem o caráter corretivo ou exemplar. A Presidente Dilma está dando ao assunto o tratamento correto.Ela sabe que duas ideologias importadas foram abraçadas por segmentos da sociedade brasileira e foram as últimas consequencias.Respeito muito os dois lados ,pois tiveram coragem de defender seus ideais. Muito mais me preocupa a juventude desorientada atual que só tem capacidade de se mobilizar para fumar seu cigarrinho maluco. Outro aspecto é que mesmo que não existisse Anistia,ponto final do assunto,se alguém fosse condenado, seria ridículo prender os velhinhos na idade de seus oitenta anos. Que ameaça essas pessoas podem representar para a sociedade?